CFTC acusa morador dos EUA de fraudar US$ 7 milhões em Bitcoin

A Comissão de Comércio de Futuros de Commodities dos Estados Unidos (CFTC) acusa morador dos Estados Unidos de uma fraude relacionada a Bitcoin (BTC) de US$ 7 milhões.

Em um comunicado de imprensa oficial publicado em 30 de setembro, o regulador revelou que Jon Barry Thompson, de Easton, Pensilvânia, é acusado de "fazer, consciente ou imprudentemente, falsas representações para clientes relacionadas a suposta compra de Bitcoins no valor de mais de 7 milhões de dólares".

"Consciente ou imprudentemente"

O documento oficial alega que - ao contrário de suas declarações - nem Thompson nem uma empresa à qual ele era afiliado tinham posse ou controle sobre os Bitcoins que ele prometeu entregar a dois clientes.

A agência alega que, depois de receber os fundos dos clientes, Thompson enviou praticamente todo o dinheiro para terceiros. O suposto BTC não foi entregue aos clientes enquanto seus fundos não eram salvaguardados conforme prometido.

Thompson é acusado ainda de mentir para os clientes sobre a localização dos Bitcoins, os motivos pelos quais a transação não foi concluída e o status de seus fundos.

O caso foi levado ao tribunal em conexão com a Força-Tarefa de Moedas Virtuais da Divisão de Execução da CFTC.

A agência busca restituição, sanções monetárias e civis, proibições permanentes de negociação e registro e uma liminar permanente contra todas as outras violações à Lei da Bolsa de Mercadorias e aos regulamentos da CFTC.

Punir os fraudadores é "essencial" para promover o desenvolvimento de criptos

O diretor de execução da CFTC, James McDonald, emitiu uma declaração referente ao caso, observando que:

“Punir a má conduta envolvendo criptoativos é essencial para promover o desenvolvimento responsável desse espaço nascente. A CFTC continuará trabalhando para responsabilizar os fraudadores e, quando apropriado, operará em paralelo com nossos colegas de aplicação da lei criminal.”

Como o Cointelegraph reportou, uma recente controvérsia envolvendo a CFTC foi desencadeada pela alegação da LedgerX de que o ex-presidente da agência, Christopher Giancarlo, obstruiu a aprovação de seu registro alterado da Organização de Compensação de Derivados devido a um problema pessoal contra o CEO da LedgerX, Paul Chou.