Centralização é inevitável e 2019 pode ser o último ano de mineração ‘amadora’ de Bitcoin

Durante o WDMS 2019, promovido pela Bitmain, mineradores presentes no evento destacaram que o ano atual será, provavelmente o último em que mineradores ‘amadores’ terão exposição ao negócio de mineração de Bitcoin.

Segundo eles, a mineração caminha para ser, cada vez mais, uma indústria centralizada em grandes farms e player divididos em regiões como Canada, Paraguai, China, Rússia e outras nações que combinam estabilidade política e econômica com oferta energética.

“O setor está se tornando mais consolidado e centralizado. Para alcançar maior eficiência, os mineradores devem se especializar”. disse Zhang Rui, chefe de estratégia da Altonomy

Em conversa com o Cointelegraph, eles destacaram que empresas estão construindo soluções de infraestrutura voltada para farms e grandes player e que ninguém mais fala em ASIC “para o varejo”.

“Veja o exemplo da Sigmapool, uma empresa focada em diversa soluções para grandes famrs, com monitoramento e diagnóstico, visando aumentar o hashrate ou identificar os ‘hashs’ perdidos. Aqui também vimos a  BitRiver com infraestrutura para grandes operações e geração de energia ‘própria’ e estável. Há muito não falamos mais de mineração em PC e agora, também podemos dizer que foi encerrada a época da mineração de varejo”, destacou Bruno Avanço, fundador de uma farm no Paraguai.

Bruno também destacou que empresas vêm criando softwares específicos voltados para controle e monitoramento profissional de centenas de milhares de asic conectadas, e citou a Uminers.

“Não acredito que teremos uma centralização tal qual há em áreas da tecnologia com empresas como Google, Facebook e Microsoft que são praticamente hegemônicas em seus campos de atuação, contudo, não podemos mais pensar em mineração de Bitcoin que não seja construída em escala. Pedir para seu amigo trazer duas ASIC da China e ‘ligar’ no vizinho também não será mais possível, a mineração de BTC chegou em um novo momento”, finalizou

Como noticiou o Cointelegraph, halving anteriores provocaram um movimento de alta nos preços, levando a sugestões de que 2020 não será diferente. Estudos adicionais, principalmente o popular modelo Stock-to-Flow, corroboraram a teoria de que o preço do Bitcoin deve subir à medida que a recompensa da mineração diminui.

Confira mais notícias