Banqueiro central diz que CBDCs são uma ferramenta flexível para taxas de juros zero no mundo

O presidente do banco central do Chile, Mario Marcel, diz que as moedas digitais de banco central (CBDC) podem fornecer flexibilidade adicional em um momento de "políticas monetárias não convencionais".

Marcel fez seus comentários em um discurso intitulado "Discussão do Painel de Políticas de Alto Nível sobre Moedas Digitais do Banco Central" no Fórum Global de Políticas Blockchain da OCDE, realizado em Paris, em 12 de setembro.

FinTech disruptiva aborda “algumas lacunas” nas finanças tradicionais

As observações de abertura de Marcel reconheceram que criptomoedas como Bitcoin já estão mostrando potencial de disrupção e fornecem alguns benefícios sobre o sistema legado. Ele disse:

"As tecnologias disruptivas em finanças ou 'FinTech' estão transformando o cenário do setor financeiro, desafiando os modelos de negócios tradicionais. Essas tecnologias conseguiram solucionar algumas lacunas do setor financeiro tradicional que podem ser agrupadas em cinco categorias: acesso, velocidade, custo, transparência e segurança.”

Porém, Marcel argumenta que essa nova tecnologia também pode ser adotada pelo próprio sistema bancário para mitigar seu potencial de revolução. Além disso, a tecnologia de ledger distribuído (DLT) pode fornecer alguns benefícios que a tecnologia convencional de dinheiro não pode, de acordo com Marcel.

As CBDCs podem "melhorar o kit de ferramentas dos bancos centrais"

A DLT e a CBDC podem "melhorar a eficiência do mercado" com base em algumas pesquisas, diz Marcel, que também observa que essas moedas digitais podem ser mais flexíveis em um ambiente de política monetária "não convencional".

Especificamente, um dos principais benefícios seria:

"Gerenciamento de crises em torno do limite inferior zero. Em um mundo de taxas de juros reais baixas, o impacto de políticas monetárias não convencionais, como a QE, metas nominais do PIB e orientações futuras, parece ser limitado. [...] fixar juros nominais negativos e taxas flexíveis podem melhorar o conjunto de ferramentas dos bancos centrais”.

Marcel, no entanto, reconhece algumas desvantagens possíveis e que são necessárias mais pesquisas para entender completamente o potencial da tecnologia. Além disso, o público em geral poderia interpretar as taxas de juros negativas como "um novo imposto" e provavelmente reagiria contra os legisladores.

Marcel acrescenta que as CBDCs podem oferecer aos bancos centrais mais ferramentas de intervenção e reduzir o risco de corridas aos bancos. Além disso, os balanços patrimoniais de um ledger transparente podem facilitar o "desenrolar com instituições financeiras problemáticas e alienar seus ativos".

Mas enquanto Marcel observa que as CBDCs não precisam necessariamente de uma blockchain, ele conclui:

"Os canais de política monetária em um mundo com CBDCs podem ser mais rápidos e mais poderosos."

Como o Cointelegraph relatou no início deste mês, a China está na vanguarda das moedas digitais emitidas por banco central e pode lançá-la já em 11 de novembro.

Em março, o chefe do Banco de Compensações Internacionais, Agustin Carstens, alertou que os bancos não devem tentar parar a inovação, mas devem abordar as criptomoedas com cautela.

Enquanto isso, o cofundador da Morgan Creek Digital Assets, Anthony Pompliano, disse em julho que baixas taxas de juros e impressão de dinheiro pelos bancos centrais fornecem "combustível de foguete" para o valor do Bitcoin.