Catalunha anuncia sistema de identificação descentralizada que não será controlado pelo governo

O governo catalão anunciou o IdentiCAT, um sistema de identidade descentralizado. O presidente Quim Torra e o ministro de políticas e administração digital Jordi Puigneró anunciaram o projeto no sábado, informou a mídia local VilaWeb em 7 de setembro. Notavelmente, o governo diz que não terá acesso aos dados do cidadão.

Proteção de privacidade

A licitação para o desenvolvimento do sistema - que deve ser concluída em 2020 - começará em breve a € 550.000 (quase US$ 607.000). Os cidadãos que usam o IdentiCAT poderão escolher quais dados estão dispostos a compartilhar com o governo e solicitar que ele armazene uma parte e os compartilhe com terceiros.

O sistema estará disponível tanto para os residentes da Catalunha quanto para os catalães residentes no exterior que ainda desejem usá-lo. Torra comentou sobre o desdobramento:

“Agora é hora de liderar a revolução digital. Falamos de uma sociedade empreendedora atenta às novidades e inovações sociais. O objetivo deste governo é colocar as pessoas no centro de suas políticas, também das digitais.”

Descentralização como forma de empoderar os cidadãos

Ele também enfatizou que a Catalunha se preocupa com o conceito de cidadania digital e tecnologia blockchain de maneira forte e afirmou que pretende se tornar o primeiro país a implementar uma identidade digital descentralizada.

Enquanto isso, Serra Leoa planeja adotar completamente um sistema de identidade nacional habilitado para blockchain até o final de 2019.

Puigneró também comentou o projeto e as implicações que prevê:

“Alguns vão querer questionar o projeto porque podem ter medo de empoderar as pessoas, vamos ser um país avançando. Porque eles sabem que, quando capacitamos as pessoas, somos um país imparável. [...] A república que queremos é aquela que capacita os cidadãos, não que os controle, os reprima ou os trate como mercadoria digital.”

Por fim, ele explicou que o sistema não será usado para identificar os cidadãos. Em vez disso, ele explicou que será uma maneira mais privada de acessar serviços digitais, desenvolver a economia e capacitar os cidadãos.

Como o Cointelegraph relatou no final de agosto, uma nova parceria entre um banco de desenvolvimento, uma organização não governamental e uma corporação de tecnologia está de olho na criação de um sistema de identidade baseado em blockchain para melhorar a inclusão financeira em Buenos Aires.