Bloco de Carnaval pernambucano aceita criptomoedas como forma de pagamento

Pela primeira vez em Recife, um bloco de carnaval de rua é patrocinado e aceita criptomoedas como forma de pagamento para abadás. O bloco Mamãoreco, que desfila na segunda-feira (04/03), registrou 1% de suas vendas com Bitcoin, Ethereum, entre outras altcoins.

A venda dos abadás foi realizada em parceria com a BitJá, enquanto o arranjo do hino, a música e a marca do bloco foram registrados na blockchain pública da Prexis, empresa de Recife dedicada ao registro de propriedade intelectual com blockchain.

Em comunicado, um dos fundadores do bloco e CEO da Prexis, Carlos Campello, afirma que o objetivo da iniciativa é mostrar ao maior número de pessoas os benefícios da tecnologia blockchain no registro de propriedade intelectual:

"Nada mais oportuno que o carnaval para demonstrar aos músicos, arranjadores, escritores, designers e a todos os artistas que o registro da autoria de suas criações podem estar seguras, sem complicações ou burocracias.”

As criptomoedas também vão marcar presença no carnaval carioca. Conforme publicado pelo Cointelegraph, a escola de samba Imperatriz Leopoldinense irá levar a relação do homem com o dinheiro para a Sapucaí, com uma ala dedicada ao Bitcoin.