Capital One apresenta patente blockchain para validação de conteúdo

A Capital One, empresa que detém bancos nos Estados Unidos, ganhou sua mais recente patente relacionada à blockchain, desta vez incorporando a tecnologia em um sistema de validação de conteúdo. Os documentos do Escritório de Marcas e Patentes dos EUA divulgaram a patente em 2 de abril.

A Capital One, que no ano passado concentrou seus esforços de propriedade intelectual na blockchain para autenticação de usuários, agora quer usá-la como parte de uma rede mais ampla que envolve provedores de conteúdo.

"Um dispositivo pode receber os primeiros dados de conteúdo de um provedor de conteúdo, os primeiros dados de conteúdo, incluindo dados que identificam conteúdo", diz um extrato do resumo da patente. O resumo continua:

“O dispositivo pode gerar dados de segundo conteúdo com base nos primeiros dados de conteúdo, os segundos dados de conteúdo, incluindo informações que fazem com que a validação de conteúdo seja executada no conteúdo.

O dispositivo também pode fornecer os segundos dados de conteúdo para um nó de validação de conteúdo, sendo o nó de validação de conteúdo incluído em uma rede de validação de conteúdo implementando uma rede blockchain que inclui instruções executáveis ​​para executar a validação de conteúdo.”

A Capital One já demonstra interesse em blockchain há vários anos. Em 2016, a empresa já estava estudando como aplicar a tecnologia para resolver problemas de pagamentos, à época ligados ao seguro saúde.

No ano passado, Gill Haus, vice-presidente sênior da Capital One, diretor de informações de varejo e diretora de banco, disse à Forbes sobre o atual otimismo de alta.

"O benefício que vemos na blockchain é que a segurança é inerentemente incorporada", disse ele. Haus continuou:

"Você sabe quem está contribuindo para essa blockchain, você tem um registro imutável e pode ter certeza de que o sistema e o protocolo são montados facilmente".

Dentro do setor bancário de forma mais ampla, a blockchain também teve uma espécie de retorno neste ano, apesar das preocupações anteriores de que seu impacto havia sido superado pela indústria.