Realidade da blockchain não é exatamente o que se anuncia, diz funcionário do Banco Mundial

O Banco Mundial tornou-se a mais recente fonte de críticas sobre a tecnologia blockchain, desta vez pedindo cautela com seu papel no direito à terra, informou a Reuters em 27 de março.

Falando na 20ª Conferência Anual sobre Terra e Pobreza, em Washington, D.C., nesta semana, Aanchal Anand, especialista em administração da terra na Global Land and Geospatial Unit do banco, alertou contra o fenômeno informalmente conhecido como "hype blockchain".

"A tecnologia pode parecer grande e chamativa e que pode resolver todos os nossos problemas ... mas o Big Mac nunca é igual ao do anúncio", afirmou ela, continuando:

“Às vezes nos perdemos em coisas extravagantes, mas a tecnologia básica pode entregar os resultados.”

"Há uma noção geral de que a blockchain é uma bala mágica, que pode salvar a floresta tropical ou resolver a fome no mundo - isso não é verdade", disse Tim Robustelli, assistente de programa da New America, um think tank norte-americano, à conferência da DC:

“Ela não pode, por exemplo, compensar a coleta desleixada ou incompleta de dados”.

O setor imobiliário se desenhou como uma das várias áreas que os defensores da blockchain afirmam estar prontos para a disrupção usando alguma forma da tecnologia.

Como o Cointelegraph reportou, alguns casos de uso do mundo real surgiram, como o teste de registros de terras do estado de Wyoming, anunciado no ano passado.

Para muitos, no entanto, a blockchain ainda permanece um pipedream e suas aplicações em seu estado atual são comparativamente limitadas e difíceis de implementar.

O ceticismo veio na mesma semana em que o Bank of America, instituição financeira com mais patentes de blockchain do que qualquer outra, destacou suas preocupações off-the-record.

“Todas as grandes empresas de tecnologia vêm e dizem "blockchain, blockchain, blockchain". Eu digo: "Mostre-me o caso de uso. Você me traz o caso de uso e eu vou tentar", disse Catherine Bessant, CTO do banco, à CNBC.