Polícia de cibercrime da Califórnia se concentra em swap SIM de criptomoeda como "a maior prioridade"

A força-tarefa dos EUA considera a tão falada "troca via SIM" uma de suas "maiores prioridades" em uma tentativa de combater fraudes em criptomoedas, notícias de segurança e blog de investigação que o KrebsonSecurity divulgou em 7 de novembro.

Falando à publicação, Samy Tarazi, um sargento da polícia em Santa Bárbara e um supervisor da Força-Tarefa REACT — um grupo dedicado ao combate ao cibercrime — disse que o número de casos do crime aumentou dramaticamente.

"Para as quantias que estão sendo roubadas e o número de pessoas sendo bem-sucedidas em recebê-las, os números provavelmente são históricos", disse ele.

Troca via SIM refere-se ao ato de sequestrar remotamente o SIM card de um dispositivo móvel — por exemplo, obtendo acesso ao banco de dados de um operador como em um exemplo de alto perfil envolvendo milhões de dólares — e usando o controle resultante sobre o dispositivo para obter acesso a dados privados mal protegidos.

Os dados que provam ser mais valiosos para os que trocam via SIM são os detalhes de login em criptomoedas e senhas de carteira, resultando em enormes quantidades de dinheiro desaparecendo, diz Tarazi, continuando:

"Se alguém receber US $ 100.000,00 é uma coisa grande, mas agora estamos lidando com alguém que compra um cartão SIM de 99 cents no eBay, o conecta a um telefone velho qualquer, faz uma ligação e rouba milhões de dólares. Isso é muito notável."

O REACT, que significa Time de Computação Aliada para Aplicação Regional, está baseado em Santa Bárbara e continua tentando controlar o fenômeno cada vez mais ativo.

Tanto assim, acrescentou Tarazi, que a troca via SIM é atualmente o foco principal da equipe.

"É provavelmente a maior prioridade da REACT no momento, uma vez que a troca do SIM está acontecendo ativamente com alguém, provavelmente, mesmo quando falamos agora", ele alertou, acrescentando:

"Também é porque há muitas vítimas em nossa jurisdição imediata."