Receita Federal do Brasil arrecadou R$ 119,951 bilhões em agosto; 'pente fino' em exchanges de Bitcoin pode elevar valor
Inscreva-se

A arrecadação total das Receitas Federais atingiu, em agosto de 2019, o valor de R$ 119,951 bilhões, registrando acréscimo real (IPCA) de 5,67% em relação a agosto de 2018, segundo declaração da Receita Federal do Brasil feita em 24 de setembro.

De acordo com os dados divulgados, no período acumulado, de janeiro a agosto de 2019, a arrecadação totalizou R$ 1,015 trilhão, representando acréscimo real (IPCA) de 2,39% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Especialistas ouvidos pelo Cointelegraph apontam que o valor pode ser ainda maior no ano que vem por conta do 'pente fino' que a RFB pode realizar nas declarações de IR tendo em vista os dados reportados pelas exchanges de criptomoedas de acordo com as Instruções Normativas 1888 e 1889.

Segundo as novas regras movimentações envolvendo Bitcoin e criptomoedas, dentro das plataformas nacionais estão sendo 'monitoradas'  pela RFB. Fato que pode levar a diversos apontamentos em declarações de Imposto de Renda a serem entregues no ano que vem de usuários de criptomoedas que não informarem, caso seja necessário, os valores e operações com Bitcoin.

Ainda segundo a RFB, quanto às Receitas Administradas pelo regulador, o valor arrecadado, em agosto de 2019, foi de R$ 117,533 bilhões, resultando em crescimento real (IPCA) de 6,02%, enquanto no período acumulado de janeiro a agosto de 2019, a arrecadação alcançou R$ 971,817 bilhões, com acréscimo real (IPCA) de 2,11% relativamente a igual período de 2018.

Como noticiou o Cointelegraph, segundo as regras editadas pela RFB as exchanges de criptoativos localizadas no Brasil terão que informar à Receita todas as operações realizadas, sem limite de valor. Já as operações realizadas por brasileiros e empresas brasileiras em exchanges no exterior, ou fora do ambiente dessas corretoras, terão que ser reportadas pelos próprios clientes, sempre que o valor mensal movimentado ultrapassar R$ 30 mil.

"A coleta de informações sobre operações com criptoativos tem se intensificado em vários países, após a constatação de que grupos estariam se utilizando do sistema para cometer crimes como lavagem de dinheiro, sonegação e financiamento ao tráfico de armas e terrorismo", afirma a Receita em nota.