Brasil é o segundo país no mundo mais afetado por ataques hackers, pais já perdeu US$ 20 bilhões

O Brasil é o segundo país do mundo que mais sofre com ataques hackers, segundo um recente levantamento da União Internacional de Telecomunicações (ITU), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU), de acordo com reportagem do portal Convergência Digital, publicada em 05 de setembro.

De acordo com a publicação, os dados foram trazidos à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) pelo coronel Arthur Sabbat, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República.

Os dados revelam que numa medição de 12 meses entre 2017 e 2018, os prejuízos advindos dos ataques cibernéticos no Brasil ultrapassaram US$ 20 bilhões (mais de R$ 80 bilhões).

"Especialistas avaliam que o mercado de segurança cibernética alcançará US$ 151 bilhões em 2020, no mundo todo. Um indicativo claro da prioridade que já vem sendo dada mundialmente a esta questão. E aqui no Brasil a segurança dessa área não se encontra no nível desejado. No ano passado, 70 milhões de brasileiros foram vítimas de ilícitos cibernéticos. É nesse montante que as perdas chegam a US$ 20 bilhões", detalhou Sabbat.

Entre os principais vetores de ataques cybernéticos no Brasil estão malwares que executam divesas funções, desde roubo de credenciais a roubo de Bitcoin e criptomoedas e também cryptojacking, no qual ataques roubam pode computacional para minerar Monero.

Como noticiou o Cointelegraph, São Paulo irá receber a Mind The Sec São Paulo 2019, maior e a mais qualificada conferência corporativa brasileira sobre segurança da informação e segurança cibernética do país.
 
Durante o evento cryptojacking de criptomoedasmalwares que roubam dados e outros ataques hacker serão abordados. Segundo a publicação um dos destaques da programação é o americano Chris Wysopal, co-fundador e CTO da Veracode, líder americana em serviços automatizados de proteção para aplicativos corporativos na nuvem.
 
Também estará presente no evento, Fernando Nery, fundador da Módulo S/A, membro do Comitê Gestor da Internet do Brasil e coordenador de equipes nos principais projetos brasileiros de implementação de governança, riscos, compliance e segurança cibernética, como Eleições Eletrônicas, o Sistema de Pagamentos Brasileiro, entre outros.