Equipe do Bitcoin Private acusa exchange cripto HitBTC de fraude após remoção de suas listas

Os desenvolvedores do Bitcoin Private (BTCP) acusaram a exchange de criptomoedas HitBTC de agir de forma fraudulenta no tocante a sua exclusão da exchange após uma queima de moedas (coinburn) planejada.

As acusações são retratadas em uma carta escrita em 26 de fevereiro para a exchange pelo Petros Law Group em nome da comunidade, desenvolvedores e colaboradores do BTCP e publicada pelo perfil no Twitter do Bitcoin Private em 9 de março.

Segundo seus autores, a carta - que foi publicada no dia em que o BTCP foi retirado do site da HitBTC - alega que a HitBTC tentou extorquir o BTCP após complicações não resolvidas decorrentes da coinburn.

Segundo o documento, no início de março do ano passado, o BTCP foi criado em um fork do ZClassic (ZCL) e do Bitcoin (BTC) com um aviso de uma futura coinburn em seu whitepaper: o evento agendado foi criado para excluir (ou “queimar”) todas as moedas que não forem reclamadas (ou movidas) a partir do fork. Em 3 de março de 2018, no dia seguinte ao lançamento, a HitBTC teria cobrado da equipe do BTCP uma taxa de listagem de meio milhão de dólares em Bitcoin.

O documento inclui capturas de tela de tuítes, que aparentemente foram apagados em meados de fevereiro da HitBTC, que explicam aos usuários que, como os endereços de BTCP da exchange foram criados após o fork, os usuários não serão afetados pela coinburn.

Em 15 de fevereiro, um dia antes da planejado coinburn acontecer, a HitBTC teria entrado em contato com o BTCP solicitando assistência para proteger os fundos de seus usuários em uma série de e-mails, que então se transformaram em um pedido de compensação de 58.920 BTCP devido a perdas esperadas.

Entretanto, como o documento sublinha que os endereços de BTCP criados após o fork não serão afetados, a exchange não pode ter se preocupado com a perda de fundos dos usuários, pois essa situação não existia. Em vez disso, o documento alega que a HitBTC possuía secretamente 58.920 BTCP em uma carteira de BTCP Segwit e as preocupações com a coinburn estavam relacionadas aos fundos pessoais da exchange.

O documento afirma ainda que os desenvolvedores do BTCP informaram a exchange que eles não pretendiam acomodar a demanda de compensação, mas forneceriam assistência técnica - apoiada por screenshots de e-mail - para ajudar a proteger os fundos da coinburn.

Em 17 de fevereiro, a coinburn supostamente aconteceu, um dia depois de previsto, e em 21 de fevereiro a HitBTC supostamente ameaçou retirar apoio ao BTCP se a equipe de desenvolvimento da moeda não compensasse os 58.920 BTCP.

A HitBTC divulgou um comunicado em seu blog oficial em 9 de março afirmando que a equipe do BTCP não foi capaz de fornecer uma maneira segura de movimentar os fundos antes da queima, mas que a exchange compensou todas as perdas de custódia. A HitBTC não respondeu ao pedido de comentários do Cointelegraph até o momento desta publicação.

Como o Cointelegraph reportou em dezembro do ano passado, durante a importação de dados da cadeia de Bitcoin, um adicional de 2,04 milhões de unidades da altcoin Bitcoin Private foram secretamente cunhadas.

A informação foi posteriormente confirmada pelos desenvolvedores da moeda, que afirmaram que as descobertas eram matematicamente precisas, mas "neste momento, a fonte, o propósito e o destinatário dessa exploração são atualmente desconhecidos".