Bitcoin oferece ao mundo 'democratização da poupança’, diz executivo de fundo de cobertura

O Bitcoin (BTC) pode livrar a população mundial de suas dívidas graças à sua capacidade de permitir que os consumidores economizem sem permissão.

Quem disse isso foi Misir Mahmudov, autor e associado de operações do fundo de cobertura de criptomoedas Adaptive Capital, em sua mais recente defesa do Bitcoin em 27 de novembro. Mahmudov é irmão de Murad Mahmudov, conhecido defensor do Bitcoin.

Bitcoin livrará "milhões" de dívidas

Ao escrever nas redes sociais, Mahmudov argumentou que a poupança em BTC permitia que qualquer um ultrapassasse as barreiras dos métodos tradicionais de poupança, como ações e imóveis.

"O Bitcoin é a democratização da poupança", resumiu.

Prosseguindo, Mahmudov disse que como resultado, um grande número de poupadores em potencial se beneficiaria:

“Hoje você pode empilhar satoshis e armazenar sua riqueza no ativo mais escasso. A capacidade de economizar riqueza em Bitcoin tirará milhões de pessoas das dívidas.”

De acordo com estatísticas mais recentes, a dívida nacional dos Estados Unidos é igual a cerca de US$ 70.000 per capita. A dívida global agora é tão grande que, para cada Bitcoin que alguma vez existirá, atualmente há US$ 12,1 milhões em dívida.

Aqueles que guardam em BTC escapam da armadilha da inflação

O status do Bitcoin como dinheiro sólido tem recebido apoio de acadêmicos como Mahmudov, com outros destacando seus benefícios específicos sobre fenômenos como a moeda fiduciária.

Em particular, Saifedean Ammous, autor do popular livro "The Bitcoin Standard" e ex-professor da Universidade Americana Libanesa, continua a apontar que o fiduciário representa a antítese da mentalidade da poupança.

Através da emissão de dinheiro que eles podem inflar à vontade, os governos e os bancos centrais fomentam uma cultura de gastos e empréstimos enquanto demonizam a poupança.

No que é conhecido como uma mentalidade de “preferência de tempos de alta”, os consumidores que usam fidcuiário são ensinados a gastá-lo, não a guardá-lo, pois sua natureza inflacionária significa que ele comprará menos no futuro.

Para Ammous, é John Maynard Keynes, um dos arquitetos da política econômica moderna, o responsável direto pelos danos.

O "The Bitcoin Standard" cita o infame áudio de Keynes sobre o impacto a longo prazo de seus conselhos: "No longo prazo, todos vamos morrer".

Com o Bitcoin, uma forma comprovadamente escassa de dinheiro com um suprimento fixo que é impossível de manipular, o oposto é verdadeiro para os poupadores.

Como observou o Cointelegraph, os analistas até preveem que os modelos de preços do Bitcoin se tornarão menos úteis com o tempo devido à perda de seu valor. Desde que o Federal Reserve dos EUA foi estabelecido em 1913, o dólar perdeu mais de 96% do seu valor em termos reais.