Fim do Bitcoin? Google usa computador quântico e faz cálculo de 10 mil anos em 200 segundos

O gigante mundial de tecnologia, Google, afirmou que alcançou a "supremacia quântica", supostamente por meio de uma demonstração experimental da superioridade de um computador quântico em relação a um computador tradicional, de acordo com um artigo publicado na NASA e depois retirado do ar.

Segundo o artigo o Google teria feito um experimento com números gerados aleatoriamente produzidos através de um cenário especializado envolvendo fenômenos quânticos. Os pesquisadores disseram que determinaram que seu computador quântico superava os computadores comuns na tarefa, que envolvia o cálculo da saída de certos circuitos especializados.

"Enquanto nosso processador leva cerca de 200 segundos para provar uma instância do circuito quântico 1 milhão de vezes, um supercomputador de última geração exigiria aproximadamente 10.000 anos para executar a tarefa equivalente", disseram os pesquisadores.

O computador quântico do Google, apelidado de "Sycamore", continha 53 qubits, ou "bits quânticos", uma medida da potência da máquina. A equipe recuou de um dispositivo de 72 qubit, apelidado de "Bristlecone", que havia sido projetado anteriormente.

Os pesquisadores estimam que a realização do mesmo experimento em um servidor do Google Cloud levaria 50 trilhões de horas - tempo demais para ser viável. No processador quântico, foram necessários apenas 30 segundos, disseram eles.

"Os processadores quânticos baseados em qubits supercondutores agora podem realizar cálculos ... além do alcance dos supercomputadores clássicos mais rápidos disponíveis hoje", escrevem os pesquisadores. "Para nosso conhecimento, esse experimento marca o primeiro cálculo que só pode ser realizado em um processador quântico".

Especialistas em computação divergem sobre como a computação quântica poderia impactar o futuro do Bitcoin. Enquanto especialistas apontam que o poder computacional de um computador com esta configuração poderia quebrar as chaves privadas criptografadas e associadas a chaves públicas, outros pesquisadores apontam que isso é só teoria.

“Por meio de engenharia reversa, podem ser acessadas chaves privadas que fornecem acesso as carteiras. Eu acho que isso é uma ameaça real e substancial. Bitcoin é um registro público. Assim, é possível olhar para quais carteiras armazenam os maiores saldos e depois atacá-las”, disse o chefe de blockchain da IBM, Jess Lund.

Já para Ulisses Mello, também da IBM, "Todo tipo de sistema  transacional que utiliza os sistemas de Blockchain ou criptomoedas poderiam ser rapidamente destruídos por um computador Quântico, por isso que já vemos estudos em processo com o intuito de tornar os sistemas atuais fortes contra a computação quãntica”, disse

"As máquinas quânticas são muito eficientes na execução de algoritmos de força bruta, como a fatoração de números primos e buscas em listas não ordenadas. As soluções de criptografia são feitas de forma que nenhum computador convencional possa quebrar a chave em tempo hábil, mas com computadores quânticos isto pode vir a ser possível nos próximos anos. Pela própria característica de processamento acelerado do computador quântico, pode colocar em risco não somente o bitcoin, mas todo o sistema de criptografia existente", disse Wander Cunha, head da Minsait no Brasil.

Já o desenvolvedor especialista em Bitcoin e Blockchain, Everton Melo, disse que a questão da computação quântica destruir o Bitcoin é falácia, para ele é como você ter uma Ferrari em um congestionamento, ou seja, por mais que ela permita você chegar a 300 Km/h, a via não te permite andar mais do que 20 km/h, desta forma, tanto uma Ferrari quanto um Fusca 69 conseguem fazer o mesmo trabalho.

"A internet que temos hoje com seus equipamentos e infraestrtura que temos hoje, eles não funcionam para particulas atômicas ou seja, a transmissão de dados que temos na internet não é compatível com uma 'internet quântica' e não conseguimos trafegar um 'bit quântico' na rede, um exemplo, na informação quantica quando você envia um dado, ela têm um nível de detalhe tão alto que se alguém visualizar aquela informação ela altera o estado das partículas que estavam compondo aquela informação. Assim Desta forma não dá para 'plugar' um computador quântico na internet. Embora existam falhas teóricas sobre ataque a força bruta, nenhuma delas foi provada até agora, por isso a internet quântica pode ser um divisor de àguas quando ela estiver pronta"

Apesar das alegações do Google, Dario Gil, chefe da IBM Research, desaconselha o uso da supremacia quântica como uma métrica para medir o progresso no campo. "O experimento e o termo 'supremacia' serão mal compreendidos por quase todos", disse ele à Fortune .

Gil descreveu o experimento do Google como um caso altamente especial "experimento de laboratório" que "não tem aplicações práticas". Ele acrescentou: "Os computadores quânticos nunca reinarão 'supremos' sobre os computadores clássicos, mas trabalharão em conjunto com eles, pois cada um tem suas forças únicas".

Jim Clarke, diretor de hardware quântico da Intel Labs, chamou a atualização do Google de "um marcador de milha notável". Ele disse que "um computador quântico comercialmente viável exigirá" muitos avanços em P&D antes de se tornar realidade.

"Embora o desenvolvimento ainda esteja na milha um desta maratona, acreditamos firmemente no potencial dessa tecnologia", acrescentou Clarke.

Como noticiou o Cointelegraph, a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) está trabalhando para desenvolver uma criptomoeda resistente à comoutação quântica. A afirmação foi feita em um “tuíte” do repórter da Bloomberg Technology William Turton em 4 de setembro, enquanto ele participava da 10ª cúpula anual do Billington CyberSecurity em Washington DC.