BIS: 70% dos bancos centrais estão envolvidos na pesquisa de CBDC, mas somente alguns têm planos concretos

Um novo relatório publicado em 8 de janeiro pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS) descobriu que setenta por cento dos bancos centrais em todo o mundo estão conduzindo pesquisas sobre a emissão de moeda digital do banco central (CBDC). No entanto, os planos concretos de implementação e motivação variam consideravelmente de acordo com os contextos.

O BIS é uma organização com sede na Suíça, composta por 60 dos bancos centrais do mundo e, até o momento, dedicou vários relatórios importantes às criptomoedas descentralizadas e CBDCs. Os últimos são distintas das primeiras, na medida em que são moedas digitais emitidas por um banco central, cujo estatuto de curso legal depende da regulamentação ou lei do governo.

Conforme descrito pelo BIS, as CBDCs são classificadas como “atacado” - isto é, tokens digitais de acesso restrito para liquidações no atacado, como pagamentos interbancários e liquidações de títulos - ou “varejo”.

Esta última categoria é ainda subdividida pelo BIS em “propósito geral” e “baseada em contas” - ou seja, aquelas amplamente disponíveis e voltadas para transações de varejo - ou “propósito geral” e “baseado em token ou valor”. Estes são um tipo de token emitido pelo banco central disponível para o público em geral, que tem disponibilidade similar a uma CBDC de varejo baseada em conta, mas é distribuído e transferido de uma maneira diferente.

A pesquisa do BIS estudou 63 bancos centrais em todo o mundo, 41 dos quais são baseados em economias de mercado emergentes (EMEs), e 22 deles estão em economias avançadas - juntos representando quase 80% da população mundial e mais de 90% de sua produção econômica. Descobriu-se que destes, 70% já estão comprometidos - ou em breve estarão - com a pesquisa teórica sobre CBDC, um ligeiro aumento em relação a 2017.

Entre os bancos envolvidos na pesquisa do CBDC, cerca de metade entrou por experimentos e trabalhos práticos de prova de conceito - um aumento de 15% em relação a 2017 - embora muitos desses PoCs sejam notadamente analíticos por natureza e não indiquem planos concretos de emissão de CBDC. . Apenas cinco bancos centrais realmente progrediram para executar projetos pilotos de CBDC.

O relatório do BIS isola a Suécia e o Uruguai como duas jurisdições excepcionais nas quais a consideração ativa de emitir uma CBDC de propósito geral como complemento ao dinheiro está em um estágio avançado.

No caso da Suécia, o Riksbank do país tem trabalhado em um projeto da e-Krona desde o início de 2017. A Suécia está agora diante de sua próxima etapa, que é um projeto piloto de e-Krona de valor pré-pago, não-remunerado e rastreável.

No caso do Uruguai, o banco central do país já havia concluído um programa piloto para uma CBDC de propósito geral. Com o dinheiro em circulação em declínio, o banco central lançou um programa piloto e-Peso em novembro de 2017, que foi notavelmente baseado em DLT. Desde a conclusão supostamente bem-sucedida do piloto em abril de 2018, o banco agora está avaliando novos testes e possíveis emissões.

Em novembro passado a chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) Christine Lagarde pediu a comunidade internacional a considerar as CBDCs, argumentando que eles poderiam trabalhar para metas de políticas públicas como inclusão financeira, segurança e proteção ao consumidor e privacidade nos pagamentos.