Para o premiê das Bermudas, a criptomoeda é um grande equalizador de forças com as gigantes de tecnologia

O primeiro-ministro das Bermudas, Edward David Burt, disse que as criptomoedas são um grande equalizador e caracterizam a inovação da fintech como um imperativo estratégico nacional.

Em uma entrevista para a Forbes publicado em 18 de outubro, o premiê - um ex-programador, fundador e empreendedor que se tornou o mais jovem líder nacional na história das Bermudas - expressou sua crença de que as criptomoedas garantirão que os cidadãos estejam menos dependentes das grandes corporações e do governo do que são agora.

Os governos devem se engajar

O Premier enfatizou fortemente o papel da criptomoeda na criação de uma sociedade mais equitativa - "essa é a premissa da descentralização" - argumentando que o advento dos micropagamentos pode ajudar a reestruturar o atual cenário de negócios de tecnologia, no qual os gigantes da tecnologia capitalizam os efeitos da plataforma para monopolizar a maior parte do valor:

“O Facebook e o Google ganham dinheiro porque possuem seus dados, mas não pagam pelo acesso a seus dados. Contudo, quando você fala sobre a capacidade de obter partes de valor em tamanho infinitesimal, para que alguém possa pagar [...] por usar seus dados, [...] a promessa da criptomoeda é realmente tirar o poder destas grandes empresas."

Ao enfatizar que "particularmente não confia no Facebook", ele colocou a pressão contra o Libra por parte de reguladores e governos globais no contexto de uma cultura de medo e argumentou que "o melhor e mais produtivo caminho a seguir" é que os governos se envolvam :

"Seja o Libra, quando falamos de ICOs e coisas diferentes, o fato é que não é diferente de quando ações e títulos eram serviços financeiros de startups".

Esse medo pode estar relacionado à privacidade e aos direitos dos dados - uma preocupação que ele compartilha expressamente - ou à percepção de que a perda de controle de um governo sobre a moeda representa riscos econômicos e de segurança nacional. No entanto, ele disse:

“Isso vai acontecer. A Internet não pode ser desligada."

A inovação da Fintech é um "imperativo estratégico nacional"

O premiê destacou a centralidade do fomento da tecnologia das fintech para a economia das Bermudas, observando que 90% dos ganhos em divisas do país vêm de negócios internacionais, principalmente de serviços financeiros.

Dado que a fintech é o futuro da indústria, ele disse que criar um ambiente propício à inovação - por meio da "Santíssima Trindade" de governo, reguladores e indústria - é um imperativo estratégico nacional para as Bermudas.

Ele procura incentivar o talento local a permanecer e investir no futuro do país, ajudando a criar empregos e novas oportunidades de propriedade, disse ele.

Conforme relatado nesta semana, a empresa global de serviços financeiros Circle acaba de anunciar que as Bermudas se tornaram o primeiro governo a aceitar sua stablecoin USD Coin para pagamento de impostos.