Para CEO do ING, bancos podem cortar relações com o Facebook se o Libra for lançado

Os bancos podem parar de trabalhar com o gigante das redes sociais Facebook se a empresa lançar sua stablecoin Libra, de acordo com Ralph Hamers, CEO do ING.

O banco pode optar por "não aceitar o cliente"

O meio de notícias financeiras Financial Times noticiou os comentários de Hamers em 22 de outubro. Segundo a reportagem, ele explicou que instituições como o ING precisam proteger o sistema financeiro para impedir atividades criminosas.

Por esse motivo, preocupações com o potencial de uso ilegal do Libra podem resultar em uma resposta dos bancos:

"Podemos tomar medidas e deixar de atender um cliente, ou não aceitá-lo, então essas são as discussões que você precisaria ter."

Persistem preocupações sobre lavagem de dinheiro

As preocupações com lavagem de dinheiro são estimuladas pelo medo de que o Libra permita que criminosos movam fundos rapidamente através das fronteiras nacionais sem qualquer supervisão.

Ainda assim, o Facebook prometeu não liberar o ativo até que a organização não responda às preocupações do regulador. Hamers explicou que bancos como o dele têm uma abordagem de baixo risco:

"Somos uma instituição tão grande e regulamentada que você não quer arriscar nada. [...] dissemos que vamos dar uma olhada e ver como tudo se desenvolve."

Outros banqueiros são ainda menos abertos à ideia do Libra. Por exemplo, o CEO do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, disse na semana passada que a stablecoin Libra proposta pelo Facebook é "uma ideia interessante que nunca verá a luz".

Hamers, por outro lado, observou que acha que o Libra é uma iniciativa para aprender e não uma que deve ser proibido.

Como o Cointelegraph informou recentemente, o ministro das Finanças, Nirmala Sitharaman, disse que a Índia - como muitos outros, na sua opinião - está mostrando um alto grau de cautela em relação ao Libra do Facebook.