Parceria entre Banco Mundial e governos da Bahia e do RN leva blockchain para agricultura familiar no nordeste

Um grupo de agricultores familiares da Bahia e do Rio Grande do Norte está usando a tecnologia blockchain para integração dos produtores e fornecedores, redução de custos e aprimorar as tomadas de decisão. A informação é de matéria do El País nesta quarta-feira, 2 de outubro.

A matéria diz que a Cooperativa de Jovens de Água Fria, na Bahia, descobriram na tecnologia "um potencial para expandir seus negócios, tornando-se usuários entusiastas [da blockchain]".

Os jovens agricultores seriam os primeiros grupos de uma aplicação desenvolvida para facilitar a aquisição de bens, serviços e obras por associações e cooperativas da Bahia e do Rio Grande do Norte. A iniciativa, batizada de Solução Online de Licitação, ajuda agricultores a ter acesso a fornecedores  em todo o Brasil, armazenando dados de todos os processos necessários para as transações.

O app estaria disponível em Android e IOS, com assinaturas de contratos digitais, "poupando tempo e papel de compradores e fornecedores". O El País ainda diz que "as tecnologias de código aberto e blockchain proporcionam segurança e auditabilidade para cada negócio feito pelos agricultores":

"Para nós, essas tecnologias são algo nunca visto. A gente tinha medo de não poder trabalhar com o sistema, mas é muito fácil e queremos adotá-lo por completo", disse o presidente da Cooperativa de Jovens de Água Fria, Rafael Borges.

A iniciativa tornou-se possível através de uma parceria entre o Banco Mundial e os governos da Bahia e do Rio Grande do Norte, através dos projetos estaduais Bahia Produtiva e RN Sustentável, liderando uma transformação digital necessária ao setor.

A especialista em desenvolvimento rural do Banco Mundial, Fátima Amazonas, fala na matéria sobre o projeto:

"Conectar produtores rurais como o Rafael e seus colegas com as tecnologias da informação será importante para aumentar a produtividade do campo e ajudar a alimentar a população mundial, que alcançará 9.700 milhões para 2050."

Como o Cointelegraph Brasil tem noticiado, a tecnologia tem ajudado os produtores rurais brasileiros a otimizar suas cadeias de produção. Recentemente, grandes empresas do setor de commodities no Brasil desenvolveram uma plataforma para operações no setor.

Além disso, uma plataforma do estado de Goiás emitiu a primeira cédula eletrônica de produtor rural, que promete reduzir a burocracia de financiamento para até um dia.