Empresa de Blockchain das Bahamas levanta fundos em criptomoedas para alívio dos estragos causados pelo furacão Dorian

A PO8, uma empresa de blockchain com sede nas Bahamas, está pedindo às comunidades de criptomoedas e blockchain que a ajudem a trazer alívio para as vítimas do furacão Dorian. A empresa fez seu apelo em um post no dia 2 de setembro.

Furacão Dorian traz devastação às Bahamas

Em 3 de setembro, a CNBC noticiou que o furacão Dorian trouxe uma imensa tempestade e devastação às ilhas na segunda e na terça-feira. Imagens de satélite deram uma primeira olhada nas fortes inundações nas Bahamas e mostram ainda que mais de 60% da ilha de Grand Bahama está submersa.

PO8 quer socorrer vítimas do furacão Dorian

O PO8 testemunhou a devastação em primeira mão e está pedindo às comunidades das criptomoedas e da blockchain que ajudem a reconstruir e restaurar as ilhas mais impactadas das Bahamas. Uma publicação recente no site da PO8 afirma:

“O PO8 prometeu 1 bilhão de tokens da empresa para esforços de alívio dos estragos causados pelo furacão. Por cada dólar de doação em criptomoeda, o PO8 corresponderá a 100%. ”

De acordo com o CoinGecko, um token = 1 Bitcoin (BTC). As doações de criptografia podem ser feitas com Bitcoin ou Ethereum (ETH). Doações em dinheiro também podem ser feitas na página GoFundMe do PO8.

A plataforma blockchain do PO8 visa democratizar o acesso a artefatos arqueológicos marinhos, estabelecendo sua proveniência e impedindo sua venda.

Caridade de Criptomoedas

A tecnologia das criptomoedas e a blockchain estão sendo cada vez mais aplicadas a esforços de caridade. Após o incêndio na catedral de Notre Dame, no início deste ano, o ministro de Estado da França para o setor digital, Cédric O, disse que estava aberto a cooperar com plataformas de criptomoeda para doações para reconstruir a catedral.

Em um relatório de agosto, a instituição de caridade pública independente Fidelity Charitable disse que recebeu US $ 100 milhões em doações de criptomoedas desde que começou a aceitar criptomoedas em 2015.