Apple contribuiu para a criação das diretrizes Blockchain para rastreamento e logística de minerais

A gigante da tecnologia, Apple, mencionou seu trabalho na formação das diretrizes Blockchain da Responsible Minerals Initiative (RMI) em um arquivo do Security Exchange Commission (SEC) dos Estados Unidos. O documento, intitulado "Conflict Minerals Report", foi publicado em 15 de fevereiro.

Em geral, o documento se refere às práticas de negócios e ética da Apple no fornecimento de minerais para seus diversos dispositivos eletrônicos de consumo. A Apple declara que está “comprometida em ir além dos requisitos mínimos para atender e exceder os padrões de diligência internacionalmente aceitos e proteger as pessoas em sua rede de suprimentos (supply chain)”

No ano passado, a Apple ficou sob investigação (escrutínio) por seus planos de fonte de cobalto - um mineral necessário para smartphones - diretamente das minas no Congo. Enquanto a Apple é altamente classificada entre as empresas de tecnologia em termos de combater os abusos dos direitos humanos em suas cadeias de fornecimento, ainda há muito que melhorar, de acordo com a organização Anistia Internacional.

De acordo com o recente registro, a Apple participa do desenvolvimento de diretrizes blockchain para o RMI, que são projetados para determinar um conjunto de princípios, conceitos e termos para a implantação de blockchain em supply chain. O processo de elaboração das diretrizes foi inicialmente lançado em março de 2018.

Além disso, a RMI pretende ajudar as empresas a entender a natureza da tecnologia blockchain, sua aplicação no setor e seu impacto potencial nos agentes da cadeia de fornecimento e nas comunidades locais.

Fundada em 2008, ​​a RMI é uma iniciativa multissetorial que abrange mais de 360 ​​empresas, incluindo a Apple, a fabricante de hardware de computadores Acer e a loja de eletrônicos americana Best Buy. Os membros supostamente contribuem para o desenvolvimento e aprimoramento dos mecanismos de due diligence e recursos nas cadeias de fornecimento mineral.

Empresas e entidades públicas em todo o mundo têm explorado o uso da tecnologia blockchain em suas cadeias de suprimentos. No início deste mês, a Administração de Alimentos e Medicamentos do distrito chinês de Chongqing Yuzhong anunciou planos para implantar blockchain para fortalecer a supervisão da garantia de qualidade de alimentos e medicamentos.

Mês passado, IBM fez parceria com a MineHub Technologies para desenvolver soluções blockchain para melhorar o gerenciamento da supply chain na indústria de mineração e metais. A solução visa as ineficiências do mercado global, incluindo excesso de documentação, processamento manual de dados e falta de transparência entre as partes da cadeia de fornecimento.