Ampleforth publica white paper atualizado para ativo digital não correlacionado e de preço estável

A Ampleforth — desenvolvedora de uma commodity sintética desenhada para diversificar riscos — lançou um white paper atualizado para seu protocolo de ativo digital. O documento foi enviado ao Cointelegraph por e-mail em 13 de maio.

Citando pesquisas anteriores, os coautores do white paper deffinem uma commodity sintética como “dinheiro que tem escassez absoluta, mas não tem valor de uso não monetário” — cuja possibilidade foi anunciada pela inovação da tecnologia blockchain em 2008.

De acordo com o documento, o design do token Ample — que deve ser negociado sob a sigla AMPL —  seria pensado para resistir à correlação de preços tanto com ativos tradicionais quanto criptomoedas de grande valor de mercado como o Bitcoin (BTC).

Como nota a Ampleworth, enquanto as criptomoedas como setor mostraram amplamente uma não-correlação com grupos de ativos tradicionais e fatores macroeconômicos, dentro do próprio mercado cripto muitas moedas de alta capitalização mostraram uma forte correlação entre si.

Essa forte correlação dentro do mercado cripto dificulta para os investidores minimizarem os riscos de seu portifólio ao distribuir investimentos entre ativos que têm baixa covariância (correlação).

A Ampleworth diz então que espera que o desenho do seu protocolo — que propaga a informação da taxa de câmbio nominal em oferta de token - resulte em menor correlação intra-mercado para seu token, mitigando, assim, o risco não diversificável para os investidores cripto. O comunicado descreve que:

“O protocolo da Ampleworth [...] recebe informação de taxa de câmbio de fontes seguras, e propaga para possuidores de Amples ao proporcionalmente aumentar ou diminuir o número de tokens que cada indivíduo possui, de acordo com o tamanho da flutuação da taxa de câmbio nas últimas 24 horas.”

O novo ativo ainda é desenhado para mitigar volatilidade - mas diferente de uma stablecoin atrelada a fiat, com o white paper destacando a base algorítmica sobre a qual a política de fornecimento do token resultará, de forma prospectiva, em desvios de padrão de preço mínimo.

Como noticiado antes, a Ampleworth conta com o historiador financeiro e econômico britânico Niall Ferguson como membro de seu Conselho. Até agora, a empresa arrecadou US $ 4,75 milhões para finalizar o desenvolvimento de seu protocolo junto aos investidores, que incluem o cofundador e CEO da Coinbase Brian Armstrong,  a True Ventures, Founder Collective, Slow Ventures, Pantera e FBG.

Em notícias sobre stablecoins nesta semana, a Reserve apoiada pela Coinbase anunciou que em breve lançara pagamentos fiat-cripto na Venezuela e em Angola. Já a misteriosa stablecoin do Facebook pode ser lançada já no terceiro trimestre deste ano.