Depois de lançar o Petro apoiado no petróleo, presidente venezuelano sugere "Petro Oro" respaldado pelo ouro

Após o lançamento do Petro, a criptomoeda venezuelana apoiada pelo governo em 20 de fevereiro, o presidente Nicolás Maduro já insinuou sobre uma segunda criptomoeda do governo, que será lançada em breve, de acordo com o site de notícias patrocinado pelo governo TelSsur.

Desta vez a criptomoeda apoiada pelo governo será respaldada não pelo petróleo, mas pelo ouro. Durante a festa do evento "Pátria Para Todos" no Teatro Nacional de Caracas, Maduro anunciou,

"O Petro é uma criptomoeda única no mundo que é respaldada pelo petróleo, e tenho uma surpresa que vou lançar na próxima semana, o Petro Oro [ouro], apoiado pelo ouro, ainda mais poderoso".

Desde que a Oferta inicial de moedas (ICO) do Petro foi aberta em 20 de fevereiro, US $ 735 milhões supostamente já foram arrecadados, de acordo com o Twitter de Maduro. Nenhum número oficial da ICO foi divulgado pela imprensa.

Para grandes problemas, grandes soluções! Desde o primeiro minuto o jogo começou bem e começamos ganhando: 4,777 bilhões de yuans ou 735 milhões de dólares é o resultado inicial das operações de intenção de compra do Petro

Alguns venezuelanos no Twitter usaram a hashtag, "#AlFuturoConElPetro", [para o futuro com o Petro], para apoiar o lançamento da moeda. O usuário José David Cabello R escreveu:

"#AlFuturoConElPetro contra qualquer intromissão, contra a guerra econômica, contra o bloqueio. Para a paz e a Venezuela".

Antes do lançamento, investidores estrangeiros de Brasil, Polônia, Dinamarca, Honduras e Noruega disseram que estavam abertos para receberem o Petro, que é respaldado por um barril de petróleo por moeda, para bens e serviços.

Atualmente a Venezuela enfrenta uma hiperinflação de mais de 4 000 por cento no último ano, com a moeda nacional, o Bolívar, tendo perdido cerca de 96% de seu valor.

A decisão do presidente de lançar uma criptomoeda estava em desacordo com as opiniões do parlamento apoiado pela oposição do país, que declarou o Petro uma moeda ilegal em 9 de janeiro. Os críticos no parlamento veem o Petro como uma forma para Maduro evitar as sanções financeiras impostas pelo Ocidente na Venezuela.