ABN AMRO envolvido em escândalo de lavagem de dinheiro após dizer que o Bitcoin é 'arriscado'

Tendo tripudiado sobre os riscos de criptomoedas não regulamentadas no início deste ano, o banco holandês ABN Amro NV se encontra no meio de um grande escândalo de lavagem de dinheiro.

Em 26 de setembro, a Bloomberg deu a notícia de uma investigação criminal sobre as supostas falhas do banco em relatar transações suspeitas e avaliar adequadamente seus clientes. O ABN AMRO - que permanece com mais de 50% de propriedade do governo após um resgate dispendioso - viu suas ações caírem até 10,3% no comércio de Amsterdã.

Isso representa o maior declínio desde junho de 2016, com os títulos adicionais de nível 1 do banco caindo mais em seis meses, como observa a Bloomberg.

Investigação sob leis contra lavagem de dinheiro e financiamento ao terror

O gabinete do promotor holandês revelou ainda que o ABN AMRO não apenas enfrenta escrutínio por suas supostas falhas de conformidade, mas também está sendo investigado sob as leis holandesas de combate à lavagem de dinheiro e financiamento ao terror. Os detalhes exatos da investigação não foram divulgados.

Após um aviso do banco central da Holanda, o ABN AMRO anunciou em julho que precisava realizar uma melhor diligência em todos os seus 5 milhões de clientes de varejo.

A empresa gastou 220 milhões de euros para reforçar seus procedimentos nas operações de banco de consumidor, cartão de crédito e empréstimos para pequenas empresas - provisionando 114 milhões de euros em cheques no segundo trimestre, além de 85 milhões em 2018.

O banco indicou que poderia enfrentar sanções de autoridades, mas observou que não podia se preparar para uma possível multa, já que o valor não podia ser estimado no momento.

Como o Financial Times informou, o ABN AMRO também triplicou o número de funcionários para mais de 1.400 em áreas como conformidade, crime financeiro e lavagem de dinheiro.

A situação compromete a promessa do governo holandês de, eventualmente, vender sua participação de 56% no banco - e a incerteza é redobrada pelo anúncio do CEO Kees van Dijkhuizen de sair quando seu mandato terminar em abril de 2020.

Notavelmente, o ING Group, rival do ABN AMRO, pagou no ano passado uma multa recorde por "sérias deficiências" ao trabalhar para evitar crimes financeiros, facilitando a lavagem de dinheiro através de suas contas durante anos.

Bancos sob escrutínio

A crise do ABN AMRO vem à tona após um escândalo envolvendo a unidade do Danske Bank na Estônia, cujo ex-chefe foi encontrado morto no início desta semana. Ele havia sido testemunha - embora não suspeito - de uma importante investigação de lavagem de dinheiro na unidade.

Também nesta semana, agentes da lei deram uma blitz no Deutsche Bank AG nesta semana em conexão com o escândalo do Danske Bank.

Em maio, o assessor de imprensa sênior do ABN AMRO revelou que o banco interromperia seus planos de lançar uma wallet de Bitcoin (BTC), tendo concluído que “as criptomoedas, devido à sua natureza não regulamentada são, no momento, ativos muito arriscados para os nossos clientes investirem."