Segundo pesquisa da Grayscale, 43% dos investidores interessados em Bitcoin são mulheres

Um relatório publicado em 4 de dezembro pela Grayscale, operadora de fundos de Bitcoin (BTC), sugere que 43% dos investidores interessados ​​em Bitcoin são mulheres.

O estudo envolveu 1.100 investidores norte-americanos com idades entre 25 e 64 pesquisados ​​entre 28 de março e 3 de abril de 2019. Todos os entrevistados estavam envolvidos em investimentos pessoais e possuíam pelo menos US$ 10.000 em ativos investíveis e pelo menos US$ 50.000 em renda familiar.

O Bitcoin não é tão dominado por homens quanto se acreditava?

Como o relatório aponta, acredita-se que as criptomoedas sejam um espaço predominantemente masculino. Além disso, o GoogleAnalytics sugere que mais de 90% do envolvimento da comunidade Bitcoin é masculino. Mas os dados revelados nesta pesquisa desafiam essa percepção. O relatório observa:

“As conversas em Bitcoin tendem a se concentrar em um público de investidores predominantemente masculino e ainda assim os dados indicam que as mulheres também têm um interesse saudável em Bitcoin.”

Notavelmente, 56,2% das mulheres e 56,4% dos homens veem oportunidades de crescimento significativas nas moedas digitais. Além disso, 49,8% das mulheres acreditam que a oferta finita do Bitcoin poderia aumentar a demanda e o preço, assim como 49,9% dos homens.

Além disso, 47% das mulheres, em comparação com apenas 39% dos homens, acham que este é o momento de comprar Bitcoin porque acreditam que o preço só vai subir.

Curiosamente, 63% das mulheres, em comparação com 56% dos homens, concordaram que a capacidade de comprar apenas uma pequena fração do BTC era uma razão convincente para ingressar no espaço.

Entre os 43% dos investidores interessados ​​no BTC eram mulheres. Enquanto 80% das mulheres também ficaram intrigadas com seu potencial, enquanto 93% observaram que estariam mais abertas à classe de ativos se houvesse mais recursos educacionais disponíveis.

Mulheres mais avessas ao risco que homens

O relatório também conclui que as mulheres tendem a ver os investimentos como uma maneira de se proteger e proteger suas famílias, em vez de enriquecer. Por exemplo, 60% das mulheres deram mais importância à segurança financeira do que a construir riqueza, enquanto apenas 48% dos homens compartilhavam dessa opinião.

Essa aversão ao risco aparentemente mais alta está alinhada com as ideias da vencedora do Miss Universo Finlândia de 2015 Rosa-Maria Ryyti. Em setembro, ela disse que o Bitcoin é menos popular entre as mulheres porque ele é visto como um investimento arriscado.

Além disso, 42% das mulheres observaram que planejam "apostar no seguro" com seu investimento, enquanto 35% dos homens disseram o mesmo.

Homens mais "confiantes" em seus investimentos do que mulheres

Além disso, é mais provável que as mulheres se classifiquem como menos aptas a investir em relação aos homens, com 44% das mulheres e 22% dos homens dizendo que não se sentem confiantes em investir.

Ao mesmo tempo, as mulheres têm uma visão mais pessimista da economia dos EUA - com apenas 46% esperando um desdobramento positivo - enquanto 57% dos homens estavam otimistas.

Um contraste semelhante é visto ao examinar seus pontos de vista sobre a economia global, com apenas 36% esperando desdobramentos positivos em comparação com 43% dos homens.

Embora o relatório sugira que o interesse no Bitcoin seja quase igualmente dividido entre homens e mulheres, outras fontes, no entanto, indicam que muito menos mulheres investem em Bitcoin do que homens em geral.

Como o Cointelegraph relatou no final de julho, estima-se que apenas 20% dos detentores de criptomoedas europeus sejam mulheres.