Um em cada cinco detentores de cripto na Europa são mulheres, revela novo relatório

Embora dados recentes confirmem que a comunidade cripto continue a ser dominada por homens, o desequilíbrio de gênero pode ser menos extremo do que se pensava anteriormente.

Um relatório publicado pela empresa fintech Bitpanda e pela empresa de pesquisa de mercado GlobalWebIndex em 31 de julho examinou um amplo conjunto de dados para obter informações sobre o perfil dos investidores cripto europeus.

Um em cada cinco detentores de cripto europeus são mulheres

O relatório observa que, embora pesquisas anteriores tenham sugerido que cerca de 90% dos investidores em cripto são homens, análises recentes indicam que a distribuição por gênero entre os detentores de cripto europeus é 78% de homens e 22% de mulheres.

As investidoras de cripto do sexo feminino têm uma probabilidade 30% maior de estar entre os 10% de melhores salários - 21% contra 16% de seus pares do sexo masculino - e 3,3 vezes mais chances de serem assim do que a “mulher média”.

Investidores de cripto tanto femininos quanto masculinos têm perfis diferentes da média das mulheres e dos homens europeus. As investidoras são 1,6 vez mais propensas a trabalhar em finanças do que outras mulheres, em comparação com os investidores cripto, sendo 2,6 vezes mais propensos do que outros homens a estar na indústria. 2,3x mais propensas a trabalhar em marketing (em comparação com 2,3x para homens) e 1,9x mais propensas a trabalhar em bancos (2,2x para os homens).

Para além das profissões, quando se trata de interesses, o relatório afirma que as mulheres detentoras de criptos são “mais diferentes de outras mulheres do que homens detentores de criptomoedas de outros homens” - mostrando maiores divergências de outras mulheres do que homens em áreas como computadores, codificação, tecnologia, jogos e finanças.

Londres pegando fogo

As conclusões tiradas do perfil mais amplo do relatório sobre os comportamentos de estilo de vida, finanças e investimento dos investidores em cripto na Europa confirmam amplamente as pesquisas anteriores - assim como vários estereótipos que se desenvolveram em torno do setor.

Em termos de distribuição geográfica, os mercados europeus com populações mais jovens, mais afluentes e on-line tendem a ter mais detentores de cripto. A Suíça tem a maior taxa de propriedade de criptomoedas na Europa - 7% dos usuários de internet e 14% dos detentores de ativos.

Enquanto o Reino Unido aparece apenas na 11ª posição em termos de países com a maior parcela de detentores de cripto, com 3x a taxa média, a própria Londres tem a maior concentração de detentores de cripto que qualquer lugar da Europa.

Uma pesquisa nos Estados Unidos publicada no início deste mês revelou que 9% dos millennials escolheram a cripto como sua principal opção de investimento a longo prazo - cerca de três vezes a porcentagem entre as gerações mais velhas.