Zuckerberg diz que 'Facebook não lança Libra sem aprovação dos EUA'

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, planeja dizer ao Congresso dos Estados Unidos que o Libra não será lançado em lugar nenhum do mundo até que os reguladores dos EUA o aprovem.

Libra não será lançado em lugar algum sem a aprovação do Congresso

De acordo com as notas preparadas por Zuckerberg, divulgadas em 22 de outubro, antes das audiências perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos EUA, o CEO do Facebook quer atenuar as preocupações regulatórias sobre o lançamento do Libra. Ele disse:

"O Facebook não fará o lançamento do sistema de pagamentos Libra em nenhum lugar do mundo até que os reguladores dos EUA aprovem."

Note, no entanto, que essa frase não é uma garantia de que o Libra não será lançado.

De acordo com as observações, o Libra será atrelado principalmente ao dólar americano. Zuckerberg destacou ainda mais os planos da China de lançar um projeto semelhante ao Libra nos próximos meses, enfatizando que isso poderia interferir na liderança financeira e tecnológica dos Estados Unidos no mundo.

Processamento de pagamentos pelo Facebook e entidades associadas

Falando sobre o acesso do Facebook aos dados financeiros dos usuários da carteira Calibra, Zuckerberg disse que a Calibra é uma subsidiária regulamentada do Facebook, o que significa que existe uma separação clara entre os dados sociais do Facebook e os dados financeiros da Calibra.

"A Calibra não compartilhará as informações da conta ou dados financeiros dos clientes com o Facebook, exceto para evitar fraudes ou atividades criminosas, ou quando as pessoas optarem por compartilhar seus dados ou quando formos legalmente obrigados a fazê-lo", assegurou Zuckerberg, acrescentando:

"Os pagamentos processados por meio das subsidiárias de pagamentos licenciados do Facebook, estão sujeitos a uma abrangente política de combate à lavagem de dinheiro, financiamento antiterrorista e monitoramento de sanções que alavancam nossos sistemas automatizados e de revisão humana, e relatamos atividades de pagamentos suspeitos às autoridades responsáveis, de acordo com nossas obrigações regulatórias. Também temos políticas em vigor para evitar fraudes. ”

Zuckerberg enfatizou ainda que o Libra não foi criado para substituir a moeda soberana, mas para servir apenas como um sistema de pagamento online.

Proteção de dados privados dos usuários

Vale ressaltar que, Zuckerberg disse que o Facebook não vende informações pessoais das pessoas e não as usa e/ou as compartilha com terceiros para tomar decisões sobre empréstimos ou créditos.

“Usamos informações sobre transações que acontecem em nossos produtos para melhorar nossos serviços, incluindo publicidade. No entanto, não usamos as informações da conta de pagamento das pessoas para fins publicitários ”, afirmou Zuckerberg.

No ano passado, o Facebook se viu na mira do furor regulatório, quando a Cambridge Analytica coletou dados de usuários do Facebook, aproximadamente 50 milhões de pessoas, sem permissão. Parte das informações coletadas pelo Facebook inclui dados de identificação pessoal. Além disso, a empresa reuniu informações sobre outras pessoas na rede de um usuário.