Com 7.600 pedidos de patentes de blockchain, empresas chinesas estão muito além dos EUA

Medido por pedidos de patentes no setor, a China supera facilmente outros países, incluindo os Estados Unidos, na tecnologia blockchain.

Em 20 de novembro, o jornal financeiro japonês Nikkei, informou que as empresas chinesas apresentaram cerca de 7.600 pedidos entre 2009 e 2018 - cerca de três vezes o número de empresas norte-americanas.

Um total de 12.000 aplicativos blockchain

De acordo com a empresa de pesquisa Astamuse, baseada em Tóquio, os EUA, China, Japão, Coréia do Sul e Alemanha, apresentaram juntos cerca de 12.000 pedidos de patentes relacionadas à blockchain até 2018, com a China respondendo por mais de 60% do total.

A Coréia do Sul apresentou perto de 1.150 solicitações no mesmo período, enquanto o Japão apresentou menos de 380 solicitações.

Com 512 pedidos, o gigante do varejo chinês, Alibaba Group, assumiu a liderança no ranking de candidatos corporativos compilados pela NGB do Japão, com base em dados da Innography. O nChain, com sede no Reino Unido, seguiu de perto o Alibaba, com 468, enquanto a gigante da tecnologia IBM apresentou 248 pedidos.

Em novembro, o programa de notícias chinês Focus Report apontou que, embora existam cerca de 32.000 empresas na China que afirmam usar a tecnologia blockchain, supostamente o número real não é nem 10% disso. De acordo com o episódio, a indústria de blockchain da China está na vanguarda do mundo, com o número total de empresas de blockchain perdendo apenas para os Estados Unidos. 

China e adoção de blockchain

Em outubro, o presidente da China, Xi Jinping, pediu que o país acelere sua adoção das tecnologias blockchain, como centrais para a inovação. Xi enfatizou que a implementação de tecnologias integradas de blockchain é fundamental para promover a inovação tecnológica e transformar as indústrias.

Edith Cheung, sócia do fundo de capital de risco focado em blockchain, Proof of Capital, disse que acredita que a China “definitivamente” implementará sua nova moeda digital nos próximos seis meses a um ano. Cheung olhou para potências estrangeiras, que ela acredita que já deveriam estar preparadas para responder, já que a China espera se tornar o primeiro país do mundo a emitir uma versão digital de sua moeda nacional. Ela adicionou:

“Eu realmente acho que os Estados Unidos precisam se apressar; ter um pensamento e uma política fortes, pelo menos uma direção para o dólar digital ".