Gêmeos Winklevoss e Charlie Shrem resolvem longa disputa judicial sobre negócio com Bitcoin de 2012

Cameron e Tyler Winklevoss chegaram a um acordo com Charlie Shrem, o empresário do bitcoin (BTC), para encerrar uma ação judicial dos gêmeos contra o Shrem do ano passado. A notícia foi revelada em documentos judiciais apresentados em 16 de abril.

Os gêmeos, que fundaram a crypto exchange Gemini, acusaram Shrem de roubar 5.000 bitcoins (cerca de US$ 26,1) e usar a criptomoeda para comprar Maseratis, lanchas e outros bens de luxo. Ele negou as alegações, que datavam de 2012.

Os advogados de ambas as partes assinaram o documento arquivado em um tribunal federal em Nova York, que diz que toda a ação civil está sendo voluntariamente arquivada. Acrescenta que a Winklevoss Capital Fund e a Shrem pagarão suas próprias custas e honorários legais, concluindo: “O caso não será reaberto”.

Em um documento judicial anterior apresentado em 5 de abril, revisto pela Cointelegrpah, ambas as partes confirmaram que haviam chegado a um acordo. Na época, eles receberam 30 dias para “efetivar integralmente” sua concordância, com a opção de prosseguir para o julgamento, caso não fosse cumprida.

Após o arquivamento do caso, Shrem disse ao Cointelegraph em um comunicado hoje:

"Desde o primeiro dia, eu sustentei que as alegações eram falsas, e elas são, é claro. Depois que o advogado deles foi sancionado e eles foram obrigados a pagar minhas taxas legais duas vezes, chegamos recentemente a uma resolução confidencial e o caso foi arquivado."

"Sou grato a Brian Klein e à minha equipe jurídica e fico feliz por ter este caso resolvido", acrescentou.

A empresa legal que representa os gêmeos Winklevoss não respondeu ao pedido de comentários da Cointelegraph até o momento.

Como relatado anteriormente, um juiz ordenou que os irmãos Winklevoss pagassem US$ 45.000 à Shrem depois que a Corte Distrital do Distrito Sul de Nova York reduziu o escopo das reivindicações dos gêmeos.