Wall Street Journal: "Bitcoin não precisa competir com o dólar" por "respeito"

O Wall Street Journal juntou-se ao crescente número de sites da mídia mainstream que se tornou otimista com o Bitcoin.

Em um artigo na segunda-feira, o professor de direito da Universidade Northwestern, John O. McGinnis, liderou uma avaliação dinâmica do potencial da moeda virtual em relação ao fator controlado pelo governo.

"Para continuar a florescer, o Bitcoin não precisa se tornar uma reserva de valor mais estável do que o dólar dos EUA", ele escreveu junto com o advogado Kyle W. Roche.

"Ele pode escalar os níveis de respeitabilidade ao prevalecer sobre moedas menos confiáveis".

O apelo do Bitcoin sobre as moedas nacionais tem sido uma área clássica de críticas e até mesmo motivo de ridículo de fontes comuns no passado.

Comentaristas como o CEO da Business Insider, Henry Blodget, disseram à redes como a CNBC há apenas alguns meses que o Bitcoin "não tem valor intrínseco", implicitamente o que a moeda fiduciária faz com o apoio governamental.

Discutindo como este argumento é irrelevante, McGinnis e Roche seguem opiniões de figuras como o investidor da Snapchat, Jeremy Liew, que disse que os mercados em desenvolvimento possuem a chave para a propagação de Bitcoin.

"[O Bitcoin] já está ganhando força e estabilidade ao competir com sucesso contra regimes monetariamente opresivos e ajudar os imigrantes pobres no mundo desenvolvido a remeter dinheiro para seus parentes de volta para casa", continuou ele.

"À medida que o Bitcoin ganha estabilidade, ele pode tornar-se ainda mais competitivo porque até mesmo o melhor dinheiro fiduciário está sujeito a riscos políticos".

Os usuários de redes sociais reagiram de forma amplamente positiva à perspectiva de McGinnis e Roche.