Venezuela apresentará a Petro ao Grupo intergovernamental OPEP como Unidade de Conta de Petróleo

A Venezuela apresentará sua criptomoeda estatal Petro como uma unidade de conta para o comércio de petróleo bruto para a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em 2019, reportou a companhia petrolífera do país PDVSA em seu Twitter no dia 7 de novembro.

A PDVSA citou seu presidente Manuel Quevedo, que também ocupa o cargo de Ministro de Petróleo e Mineração da Venezuela, falando sobre a futura apresentação:

"Apresentaremos a Petro à OPEP em 2019 como a principal moeda digital apoiada pelo petróleo".

De acordo com a PDVSA, Quevedo também acrescentou que a Petro será oferecida como uma unidade de conta para o comércio global de petróleo bruto, observando que todo o petróleo venezuelano será comercializado para a Petro.

A OPEP é uma organização global intergovernamental composta por 15 nações, fundada em 1960 em Bagdá para desenvolver regulamentação e políticas para os principais exportadores de petróleo do mundo. Segundo o website da OPEP, a organização ainda não agendou sua agenda para 2019; a reunião mais próxima dos membros da indústria petrolífera acontecerá em 6 de dezembro em Viena, Áustria.

A Venezuela lançou oficialmente no final de outubro a venda de sua cripto apoiada pelo petróleo, amplamente discutida. 11 meses depois que o líder do país anunciou a moeda nacional, a Petro agora pode ser comprada diretamente de seu site oficial ou de seis casas de câmbio cripto locais autorizadas pelo governo. No entanto, carteiras de cripto para trocar a moeda teriam sido suspensas pelo Google.

Como a Cointelegraph relatou com frequência, o governo venezuelano está promovendo ativamente a Petro. Por exemplo, Maduro fez um apelo aos cidadãos do condado em outubro, pedindo-lhes para investir em ouro e Petro, enquanto a moeda nacional, o soberano bolívar, está enfrentando uma hiperinflação.

O presidente do país também afirmou que a Petro seria usada para transações comerciais internacionais a partir de outubro de 2018. Além disso, a Venezuela anunciou que a moeda seria usada como unidade de conta dentro do país, tornando os salários e os sistemas de preços vinculados à Petro.

No entanto, alguns especialistas, jornalistas e economistas são céticos sobre a moeda da Venezuela. Um relatório da Reuter afirmava que a Petro não era apoiada por petróleo nem minerada em nenhum lugar do país. A agência de notícias também citou o ex-ministro do Petróleo, Rafael Ramirez, que escreveu que "o petro [...] existe apenas na imaginação do governo".

Especialistas também disseram à mídia Wired que a PDVSA, que supostamente apóia o Petro, tinha US $ 45 bilhões em dívidas e não mostrava sinais de atividade comercial. A publicação observou que isso pode significar que a moeda é apenas uma "cortina de fumaça" para esconder o recente fracasso de Maduro em reanimar a moeda fiduciária nacional.