Presidente da Venezuela elogia wallet de Bitcoin da Trezor em rede nacional

Em 6 de novembro, o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, apareceu na emissora estatal de televisão, Venezuelan Television Corporation (VTV), segurando um dispositivo de armazenamento de hardware criptografado, supostamente desenvolvido pelo grande fornecedor de carteiras Trezor. O vídeo é publicado na página oficial do presidente Maduro no Facebook.

A Trezor diz que não tem conhecimento dos supostos representantes de Trezor que apareceram na TV nacional venezuelana ao lado de Maduro.

Trezor diz que está investigando

Em uma reportagem intitulada "Empresas privadas de criptomoeda operam na Venezuela", Maduro estava em uma reunião com a empresa Trezorvenezuela, que se apresentava como supostos representantes da Trezor na Venezuela.

A suposta empresa representante possui uma página no Facebook e uma conta no Instagram, onde se refere ao site oficial da Trezor, trezor.io.

Após as reportagens, a conta oficial da Trezor no Twitter negou as informações de que a empresa exibida na VTV está formalmente conectada à Trezor.

A empresa oficial disse que não possui revendedores oficiais na Venezuela, observando que não estava ciente do problema. Em um tweet em 7 de novembro, a Trezor disse que abriu uma investigação:

“Para esclarecer a situação, não temos revendedores oficiais na Venezuela (http://trezor.io/resellers/). Estamos investigando esse problema. "

Usuários do Twitter sugeriram que a empresa que aparecia na VTV era aparentemente uma revendedora não licenciada da Trezor.

Trezor publica declaração oficial sobre o assunto

Depois que o Cointelegraph publicou este artigo, a Trezor divulgou uma declaração oficial para confirmar que a Trezor e a Satoshilabs não compareceram à feira de criptografia de Maduro, em Caracas, no dia 6 de novembro. Em um post, a empresa alegou que a Trezorvenezuela era um revendedor autorizado da Trezor, através de um acordo mútuo feito no terceiro trimestre de 2018, antes que a empresa os removesse da lista de revendedores autorizados, em junho de 2019, devido à inatividade. No entanto, a Trezor não restringe a venda de produtos da Trezor pela Trezorvenezuela em nenhuma região específica, acrescentou a empresa.

Além disso, a Trezor destacou sua posição em relação à situação política na Venezuela, alegando que a Trezor e a Satoshilabs "não se associam a nenhuma figura política, em serviço ou aposentada, na Venezuela ou em qualquer outra região". Em maio de 2019, a Trezor forneceu 150 dispositivos Trezor One, aos seus amigos da organização de caridade Bitcoin Venezuela, com o uso puramente para fins de caridade, acrescentou a empresa.

Maduro incentiva adoção do Petro em evento recente

Após o lançamento da criptomoeda Petro (PTR) da Venezuela em fevereiro de 2018, Maduro ordenou oficialmente que um dos principais bancos do país, o Banco de Venezuela, aceitasse o PTR.

De acordo com uma reportagem do jornal venezuelano El Universal, em 6 de novembro, Maduro realizou uma conferência no Banco da Venezuela, onde discutiu medidas para trazer uma maior adoção da criptomoeda Petro. No evento, Maduro também anunciou os procedimentos para a venda e compra de produtos via Petro.

Isenção de responsabilidade: o Cointelegraph atualizou a história para incluir a declaração oficial da Trezor sobre o assunto.