O Parlamento da Venezuela chama os $5,9 bilhões em Petros de 'Nova fraude'

A parte opositora do parlamento da Venezuela denunciou a emissão da "criptomoeda de petróleo" do presidente Nicolas Maduro, chamando-a de "totalmente nula e sem efeito".

A futura moeda digital nacional Petro, que assim seria chamada em razão de ser, teoricamente vinculada às suas reservas de petróleo, teve um valor inicial em $ 5,9 bilhões, depois que Maduro anunciou a emissão de 100 milhões de unidades em uma emissora de TV na semana passada:

"Eu ordenei a emissão de 100 milhões de petros com o sustento legal da riqueza petrolífera certificada e legalizada da Venezuela".

Segundo a Reuters, o valor do barril de petróleo e combustível para exportação da Venezuela, para o qual a Petro deveria ser indexada, foi firmada na semana passada em pouco mais de $59.

Confrontando os planos do parlamento, o deputado Jorge Millan ridicularizou o Petro como um "novo ato de fraude". Ele disse aos políticos durante um debate:

"Nós nos encontramos diante de um novo tipo de fraude, disfarçada de solução para crise (financeira). Esse governo incompetente quer compensar a falta de produção de petróleo com esses barris virtuais."

"Esta não é uma criptomoeda, mas sim uma venda do petróleo venezuelano. É feita sob medida para corrupção ".

Os analistas externos levantaram a dúvida sobre o apelo geral de que o Petro deveria realmente ser lançado como o planejado, devido à tênue situação política com a qual a Venezuela continua a lutar.

A parte socialista que apoia Maduro perdeu o controle do parlamento em 2016, e a legislatura controlada pela oposição tem inflexivelmente trabalhado contra o presidente à qualquer custo.

Em Julho de 2017, a Venezuela elegeu outro corpo legislativo pró-governo que tem “um alcance virtual ilimitado” e arrancou da oposição a maior parte do poder no parlamento.