Velocity Ledger Technology lança testnet e API de blockchain em Bermudas

A empresa fintech baseada em Bermudas Velocity Ledger Technology (VLT) lançou uma rede de testes e uma API de blockchain para negociação de ativos digitais nas Bermudas. A notícia foi enviada em um comunicado de imprensa para o Cointelegraph em 28 de maio.

A VLT poderia permitir que seus usuários possam desenvolver aplicativos de ativos digitais através de seu portal e visualizador de blockchain, depois de receberem acesso antecipado aos produtos através do preenchimento de um formulário de incrição. O usuário poderia criar aplicativos para emissão, negociação e liquidação de tokens de ativos digitais.

Depois de aprovadas pelo Ministério das Finanças das Bermudas ou pela Autoridade Monetária das Bermudas, as empresas poderiam então lançar Ofertas de Moedas Iniciais (ICOs) através destes aplicativos, usando de uma base de software não-rotulada.

No comunicado, a VLT ainda diz que é a primeira plataforma do tipo a operar em conformidade regulatória com o governo das Bermudas.

A Velocity Ledger Holdings Limited (VLHL) — matriz da VLT — também recebeu aprovação do Ministério das Finanças para lançar sua primeira ICO em 22 de março e está lançando a venda inicial dos tokens VL.

Com Bermuda ganhando notoriedade pelo lançamento de ICOs — assim como por ofertas de security tokens e tokens não fungíveis — o país não faz distinção entre tokens digitais e títulos mobiliários tradicionais.

Conforme noticiado pelo Cointelegraph, o CEO da VLHL elogiou as leis locais para ativos digitais, dizendo:

“As Bermudas adotaram uma estrutura pragmática e não-restritiva para os ativos digitais, oferecendo segurança regulatória aos players do mercado.”

No verão de 2018, o governo das Bermudas adotou uma série de leis a favor das criptos e blockchain. Elas reduziram as incertezas legais com relação a ICOs e criaram uma nova classe de bancos para atender a empresas fintech e blockchain.

Nos Estados Unidos, os parlamentares Warren Davidson (R) e Darren Soto (D) estão em busca de definição regulatória para excluir as criptos de leis de valores mobiliários através do Ato de Taxonomia de Tokens, que foi recém-introduzido.