SEC dos EUA acusa CEO que gastou US$ 500.000 dos investidores em despesas pessoais

A Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos Estados Unidos acusou Eran Eyal, o fundador da Shopin, de orquestrar uma oferta inicial de moeda (ICO) fraudulenta.

Em um comunicado à imprensa em 11 de dezembro, a SEC alegou que o empresário e sua empresa fraudaram centenas de investidores em uma ICO, que levantou mais de US$ 42 milhões, de agosto de 2017 a abril de 2018. Segundo a SEC, as ações da Shopin constituíram uma oferta de títulos não registrada de tokens Shopin.

Eyal disse aos investidores que usaria os fundos da venda de tokens para criar perfis de compradores baseados em blockchain. Esses perfis rastreariam os históricos de compras dos clientes nos varejistas on-line e recomendariam produtos com base nessas informações. No entanto, Eyal nunca criou uma plataforma funcional. Marc P. Berger, diretor do escritório regional de Nova York da SEC disse:

“Como alegado na ação de hoje, a SEC procura responsabilizar Eyal e a Shopin por enganar investidores inocentes com falsas alegações sobre relacionamentos e contratos que eles firmaram em apoio a criação de um perfil de comprador universal, baseado em blockchain [...] Os investidores de varejo que considerem um investimento em um ativo digital que atenda à definição de um valor mobiliário, devem receber as mesmas divulgações verdadeiras que em qualquer oferta de valores mobiliários tradicional."

Além disso, Eyal teria mentido sobre ter firmado parcerias com pontos de venda estabelecidos quando, na verdade, não existiam.

A SEC também alega que Eyal desviou os fundos dos investidores para pagar despesas pessoais, dizendo:

"Eyal usou mais de US$ 500.000 dos fundos dos investidores para despesas como aluguel, compras no varejo, entretenimento, ingressos para eventos filantrópicos e um serviço de namoro, mas omitiu divulgar aos investidores que ele usaria qualquer produto para seu próprio benefício."

A comissão acusou Eyal e a Shopin de violar as leis antifraude e está buscando medidas cautelares. A SEC também busca proibir Eyal e a Shopin de participar em qualquer oferta futura de moedas.

Eyal já tinha sido acusado de fraudar investidores em US$ 600.000, por enganar os funcionários e clientes de sua antiga startup, a Springleap.