Procuradores dos EUA acusam a exchange de criptomoedas BTC-e e pedem milhões em multas

Promotores dos Estados Unidos entraram com uma queixa contra a extinta exchange de criptomoedas BTC-e e seu suspeito operador Alexander Vinnik, de acordo com um documento arquivado no distrito norte da Califórnia em 25 de julho.

De acordo com o arquivamento, a Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN) determinou penalidades civis para a BTC-e e Vinnik no ano passado, que enfrentam multas de mais de US$ 88 milhões e US$ 12 milhões, respectivamente.

O arquivamento afirma abertamente que a BTC-e e a Vinnik não tentaram se registrar no FinCEN, implementar práticas contra a lavagem de dinheiro, ou relatar atividades suspeitas em geral.

Alegado lavagem de dinhiero e falta de regulamentação

O arquivamento também observa que a BTC-e e Vinnik foram indiciadas em 2016 por conta de uma empresa de serviços financeiros sem licença e conspiração para cometer lavagem de dinheiro. Em 2017, um grande júri emitiu uma acusação de substituição com acusações adicionais de lavagem de dinheiro e envolvimento em transações monetárias ilegais.

De acordo com a recente acusação, essa exchange não exigia uma verificação de identidade por qualquer meio para se inscrever e usar o serviço, embora às vezes exigisse a validação de identidade para determinadas transferências eletrônicas. 

Mais crucialmente, o BTC-e teria sido usado por criminosos para lavagem de dinheiro e liquidação anonimamente convertendo seus lucros de criptomoedas para moeda fiduciária. De acordo com o relatório, o BTC-e facilitou hacks, pagamentos de ransomware, roubo de identidade, desvio de fundos e distribuição de narcóticos.

Vinnik é um cidadão russo que está atualmente preso na Grécia. Vinnik supostamente ocupou uma posição de liderança sênior na BTC-e, e ele e a exchange estão sendo indiciados novamente em 2019 em nome do Departamento do Tesouro dos EUA.

Vinnik estava ciente da facilitação de lavagem de dinheiro da BTC-e, e até mesmo enviou e-mails em que ele disse que era o dono da BTC-e estava usando a exchange para transações ilegais. Vinnik também supostamente detém contas associadas com outras atividades criminosas, incluindo aquelas ligadas ao roubo da também extinta exchange MtGox

Um apelo por extradição

Como relatado anteriormente pela Cointelegraph, Vinnik pediu a extradição para a Rússia de sua prisão na Grécia em março deste ano. A comissária de Direitos Humanos da Rússia, Tatyana Moskalkova, havia apoiado o pedido anteriormente, pedindo à Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, e ao ministro grego da Justiça, Michalis Kalogirou, que apoiassem a extradição. 

Na época, o comissário Moskalkova argumentou que Vinnik deveria ser extraditado para ficar com sua família, pois sua esposa estava gravemente doente. Moskalkova disse:

"Dada a extraordinária situação humanitária, eu pediria ajuda para extraditá-lo para a Rússia, para que ele pudesse estar mais perto de sua família".