Fed dos EUA considera incluir crash do mercado BTC como 'risco saliente' para testes de stress

O Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos está considerando a inclusão do colapso do mercado de Bitcoin (BTC) deste ano como um dos "riscos salientes" a serem levados em conta por seus testes de stress de supervisão. A emenda prospectiva foi revelada como parte de uma homologação de políticas publicada no diário governamental federal oficial, The Federal Register, em 28 de fevereiro.

Os testes anuais de stress de supervisão do Fed oferecem a estrutura para que as empresas cobertas possam conduzir seus testes de stress internamente. Esses foram fundamentais de acordo com o marco Dodd-Frank Wall Street Reform Act (em vigor desde em 2010), que foi introduzido como resposta ao crash financeiro de 2008.

Para os testes, o Conselho de Governadores do Sistema do Federal Reserve System estabelece três cenários — "linha de base, adverso e severamente adverso" — e projeta uma "planilha financeira da empresa, pesa os riscos dos ativos, a entrada de rede, e os níveis de capital pós-stress resultantes e índices de capital regulatório resultantes”, de acordo com cada um.

Na sua novas publicação de diretrizes políticas, o conselho declara que está trabalhando para tornar seus testes "suficientemente dinâmicos" ao "apontar os cenários com os riscos que considera saliente". Nesse ano, notavelmente, publicaram que o órgão:

“Recomenda aquilo que o Conselho considera choques extraordinários, como a guerra com a Coréia do Norte, o colapso do mercado de Bitcoin ou grandes perdas causadas por má conduta dos negociantes, e seus cenários".

Qualquer desses, e outras emendas propostas, se forem aceitos, devem entrar em vigor como parte da política de testes de stress do Conselho em primeiro de abril de 2019. Em um trecho sobre a função de sua política, o conselho ainda ressalta que:

“Juntos, os testes de stress de supervisão do Dodd-Frank Act supervisory pretendem oferecer aos gestores de empresa, conselhos de diretores, o público e os supercisores com informação em primeira mão para ajudar a avaliar o efeito potencial das condições de stress na capacidade dessas grandes organizações bancárias de absorver perdas, cumprindo as obrigações para com os credores e contrapartes, e possam continuar a emprestar. ”

Como noticiado, Randal K. Quarles — governador e vice-diretor de supervisão do FED e novo diretor do Financial Stability Board (FSB) — disse nesse mês que o crescimento das criptomoedas como uma classe de ativo "deve desafiar qualquer estrutura", completando dizendo que o FSB:

“decidiu realizar uma revisão de sua estrutura para vulnerabilidades para garantir que estamos na vanguarda da avaliação da vulnerabilidade da estabilidade financeira. ”