EUA: Criptomoedas podem ser um problema para candidatos que procuram credencial de segurança

O reconhecimento do Bitcoin como um tipo de moeda estrangeira poderia ter um impacto sobre as decisões de recrutamento de novos funcionários para o Departamento de Defesa dos EUA (DoD), informou a Bloomberg em 22 de maio.

A principal preocupação do Pentágono é se investimento em criptomoedas indica intenção criminosa ou constitui uma predisposição aumentada para comportamento pessoal de risco. Isso poderia afetar negativamente o perfil de um candidato a emprego, caso o Departamento de Defesa o considerasse para uma credencial de segurança.

Por enquanto, o Departamento de Defesa não desenvolveu orientações em relação à posse de criptomoedas. Alegadamente, o Pentágono está esperando quando o Departamento do Tesouro, a Comissão de Títulos e Câmbio (SEC) e de outras agências vão informar sobre a interpretação legislativa da criptomoeda. O aparato de segurança nacional dos EUA tem que rastrear mais de 4 milhões de pessoas que possuem algum tipo de credencial de segurança.

Como observado pela Bloomberg, um exame mais detalhado dos candidatos a emprego que possuem moedas digitais poderia atrapalhar os esforços do Pentágono para expandir suas operações no ciberespaço. Greg Touhill, que era o primeiro Oficial de segurança da informação federal, disse:

"Se formos dizer que, se você tiver uma conta em Bitcoin ou outra conta em moeda digital isso poderia ser um sinal ou uma bandeira vermelha para uma credencial de segurança, adivinhe o que isso significa? Essas pessoas não vão ficar sentadas esperando para tentar participar de um trabalho do governo. Isso aumentaria bastante a demora com o trabalho que deve ser feito, na minha opinião”.

Alguns especialistas discordaram sobre se possuir criptomoedas represente uma forma legítima de risco. Steve Aftergood, da Federação de cientistas americanos, disse que está em dúvidas se o governo "tenha uma compreensão clara do que realmente faz da pessoa um risco à segurança." Ele acrescentou que os fatores de proxy normalmente difamados pelo aparato de segurança, como o uso de drogas e a dívida, não são necessariamente indicadores precisos de risco.

Por outro lado, Nicholas Weaver, pesquisador do Instituto Internacional de Ciência da computação da Universidade da Califórnia, disse que o Pentágono está certo em investigar os investidores em criptomoeda. Weaver repetiu o argumento muito comum de que, “o único uso real do Bitcoin é comprar drogas, etc., isso deve causar suspeita. Ele acrescentou:

“Quanto aos HODL-ers, eles passarão pelo processo de liberação, porque está claro que são apenas pequenos especuladores. Ou simplesmente especuladores iludidos; se for assim, você realmente quer esse tipo de gente no governo?”

A Cointelegraph anteriormente relatou que o presidente do Banco Federal de San Francisco, John Williams, disse que a criptomoeda "não passa no teste básico do que uma moeda deveria ser". Ele afirmou que uma moeda deve ser “basicamente algo com uma reserva de valor” e ser flexível para suportar condições econômicas e financeiras variadas.