EUA: ação coletiva contra os desenvolvedores do Nano, exige um

Uma nova ação coletiva foi iniciada no Tribunal de Distrito dos Estados Unidos, Distrito Leste de Nova Iorque, em nome dos investidores em Nano (XRB, anteriormente Raiblocks), de acordo com uma queixa coletiva assinada em 5 de abril.

O processo está sendo apresentado por um indivíduo americano, Alex Brola, através do escritório de advocacia Silver Miller, e alega que a equipe principal do Nano violou as leis de valores mobiliários dos Estados Unidos, vendendo valores mobiliários não registrados e deturpando de forma negligente a confiabilidade da BitGrail, de onde cerca de 17 milhões de nano (naquele momento US $ 187) foram roubados em meados de fevereiro.

A ação pede que o Nano seja ordenado pelo tribunal a “resgatar um fork” aos investidores que perderam seu NANO “em uma nova criptomoeda, de uma forma que recompensasse as vítimas”.

No rescaldo do anúncio da BitGrail de 9 de fevereiro em seu site que o 17 mln de Nano tinham sido hackeados da casa de câmbio, os desenvolvedores do Nano e o proprietário e operador da BitGrail Francesco “The Bomber” Firano supostamente entraram em conflito sobre a questão se Firano pediu ou não para um livro ser editado para "cobrir suas perdas".

O Nano então acusou Firano de "enganar a Nano Core Team e a comunidade" em seu blog oficial.

Embora o investidor em Nano, Alex Brola, seja o autor indicado no processo, tendo comprado Nano que valia US $ 50.000 em 10 de dezembro de 2017, a reclamação alega que existem “pelo menos centenas, se não for milhares, de supostos membros do grupo” que o Silver Miller planeja contatar durante o período da descoberta.

O Silver Miller escreveu no aviso de ação coletiva que é “um forte defensor dos investidores prejudicados pelas deturpações e ações ilegais das casas de câmbio e das emissores de criptomoedas”. O escritório de advocacia está atualmente trabalhando em ações coletivas contra as casas de câmbio e os serviços como a Coinbase, a Kraken, a BitConnect, a Cryptsy, e promotores de oferta incial de moedas (ICO), a Giga Watt e a Tezos.

A Tezos foi o objeto de ações múltiplas por causa da questão de sua conformidade com as regulamentações da SEC. A ação coletiva da Tezos que foi iniciada no ano passado pelo Silver Miller alega que a Tezos violou as leis de valores mobiliários durante sua ICO, que arrecadou US $ 232 milhões, tornando-se a segunda maior ICO até hoje em termos de recursos captados.