Ministério público dos EUA indicia dois suspeitos no caso do hack da EtherDelta

O equivalente norte-americano ao ministério público do Distrito Norte da Califórnia indiciou dois suspeitos - Elliot Gunton e Anthony Tyler Nashatka - por hackearem a EtherDelta, um mercado sem custódia para negociação de tokens Ethereum (ETH) ERC-20, em dezembro de 2017.

De acordo com os documentos originalmente apresentados em 13 de agosto, Ganton e Nashatka alteraram as configurações do sistema de nomes de domínio da EtherDelta para enganar os usuários e assim poder se apoderar de seus endereços de cripto, chaves privadas e retirar fundos.

Um site falso

Os suspeitos conseguiram acessar as configurações usando o número de telefone de um dos funcionários da EtherDelta e o usaram para invadir seu endereço de e-mail.

Depois disso, Gunton e Nashatka supostamente alteraram os parâmetros do sistema de domínio de modo a redirecionar o tráfego da EtherDelta para um site falso que se assemelhava a uma plataforma EtherDelta real.

Os visitantes desse site falso podem revelar suas chaves privadas e potencialmente perder seus criptoativos. Segundo a acusação, um dos usuários da EtherDelta acumulou prejuízos de pelo menos US$ 800.000. O valor total dos fundos roubados não foi divulgado no documento judicial.

Como o Cointelegraph informou  em agosto, a polícia chinesa estava investigando a EtherDelta em conexão com um aparente golpe de saída (exit scam).