Organização das Nações Unidas recomenda que países não participem de conferência sobre criptomoedas da Coréia do Norte

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou um aviso dizendo que a participação em uma conferência sobre criptomoedas na Coreia do Norte em fevereiro provavelmente constituirá em violação das sanções internacionais, de acordo com uma matéria da Reuters em 15 de janeiro.

O aviso vem na sequência da acusação contra Virgil Griffith, pesquisador da Ethereum Foundation, na semana passada por conspiração para violação da Lei Internacional dos Poderes Econômicos de Emergência.

Griffith viajou para a Coréia do Norte para sua primeira conferência de blockchain e criptomoedas em abril do ano passado. Enquanto estava lá, ele e outros participantes da conferência discutiram supostamente criptomoedas e tecnologias de blockchain. O governo dos Estados Unidos afirma que a presença de Griffith poderia ter ajudado a Coréia do Norte a contornar as sanções internacionais.

Os promotores do caso Griffith dizem que ele estava incentivando outros cidadãos dos Estados Unidos a participar da conferência este ano.

O site da conferência declara que indivíduos de qualquer país, exceto Coréia do Sul, Japão e Israel, podem visitar, acrescentando que os passaportes dos visitantes não serão carimbados:

“Vamos fornecer um visto em papel separado do seu passaporte, para que não haja evidências de sua entrada no país. Sua participação nunca será divulgada, a menos que você a divulgue por conta própria. ”

Especialistas em sanções dizem: "não vá"

A Coréia do Norte está sujeita a sanções da ONU desde 2006 por causa de seus programas de mísseis nucleares e balísticos. Entre outras coisas, essas sanções obrigam os países a impedir “transações financeiras, treinamento técnico, consultoria, serviços ou assistência”, se puderem contribuir para os programas de mísseis ou ajudar a evitar sanções.

As supostas "discussões explícitas sobre criptomoeda para evasão de sanções e lavagem de dinheiro" pareceriam violar diretamente essa sanção.

Como o Cointelegraph publicou anteriormente, o grupo de hackers norte-coreano Lazarus parece estar implantando novos vírus e malware para roubar criptomoedas. O Lazarus tem como alvo os usuários de criptomoedas há algum tempo, roubando mais de meio bilhão de dólares, entre o início de 2017 e outubro de 2018.