Regulador financeiro do Reino Unido aconselha bancos sobre como gerenciar riscos de "ativos cripto"

A Autoridade de Conduta Financeira (FCA - Financial Conduct Authority) do Reino Unido publicou orientações para os bancos sobre como lidar com os riscos associados aos "ativos cripto", de acordo com uma carta publicada no site da FCA em 11 de junho.

De acordo com a declaração dos Diretores Executivos de Supervisão Jonathan Davidson e Megan Butler, os bancos devem aplicar uma abordagem altamente individual aos clientes que lidam com ativos cripto, já que “o risco associado a diferentes relações de negócios em uma única categoria ampla pode variar”.

“Seguir uma abordagem baseada no risco não significa que os bancos devem abordar todos os clientes que operam nessas atividades da mesma maneira. Em vez disso, esperamos que os bancos reconheçam que o risco associado a diferentes relacionamentos de negócios em uma única categoria ampla pode variar e gerenciar esses riscos de maneira apropriada”.

Assim, o órgão regulador sugeriu uma série de medidas de “boas práticas” a serem realizadas pelos bancos para evitar os riscos dos clientes usarem criptomoedas para “fins criminosos”. A FCA incentivou os bancos a desenvolver a conscientização dos funcionários sobre “ativos cripto”. para ajudá-los a identificar seus riscos e envolver-se com clientes cripto para entender a natureza de seus negócios, entre outros.

No comunicado, o regulador financeiro também enfatizou os motivos não-criminais para usar criptomoedas, incluindo o financiamento de "desenvolvimento tecnológico inovador" e "investimentos especulativos" de alto risco. No entanto, levando em conta a globalidade e anonimato da cripto, a FCA sugeriu um par de indicadores de "alto risco", como os clientes que usam uma criptomoeda emitida pelo estado e que possuem grandes quantidades de tokens de ofertas iniciais de moedas (ICO).

A FCA explicou que o risco de usar uma criptomoeda patrocinada pelo estado é que ela “foi planejada para evitar sanções financeiras internacionais”. Considerando os riscos associados às ICOs, o regulador afirmou que esse tipo de prática envolve um “risco elevado de ser vítima de fraude de investimento”.

No final de dezembro de 2017, quando o Bitcoin (BTC) estava atingindo preços recordes, a FCA alertou os investidores sobre os riscos de perder todo o seu dinheiro, alegando que o Bitcoin é uma bolha e uma commodity “ímpar”, alegando sua escassez.

Em abril, o Banco Central do Quênia (CBK, na sigla em inglês) emitiu uma advertência semelhante aos bancos do país, advertindo-os contra a prestação de serviços a revendedores de cripto. O presidente do CBK, Patrick Njoroge, disse: "Há riscos associados à criptomoeda, particularmente na proteção ao consumidor, fraude, hacking e perda de dados, e eles estão propensos a serem usados como esquema de pirâmide".