Plataforma Digital Tradewind usa blockchain para rastrear a procedência do ouro

A Tradewind Markets lançou um novo sistema em sua plataforma para rastrear a proveniência de seu ouro físico e outros metais preciosos.

Em 5 de novembro, a Coindesk informou que a Tradewind Markets, uma plataforma de negociação digital baseada em blockchain, lançou sua mais recente solução Origins. A ferramenta digital fornece a proveniência da cadeia de suprimentos para compradores e vendedores de metais preciosos.

Tradewind rastreia de onde vem o metal

De acordo com o site da Tradingwind, a Origins permite que os clientes comprem e vendam ouro físico e outros metais preciosos com base em preferências individuais de fornecimento como de mina, artesanal, fontes recicladas, além do nome e da geografia da mina em que o metal foi adquirido. O executivo-chefe da Tradewind, Michael Albanese, disse à Coindesk:

“Se você é um mineiro que produz metal responsável, uma vez que o banco compra o metal, ele perde sua identidade [...] Esse banco o vende para uma rede atacadista que chega até uma corporação. Esse mineiro é desafiado a poder anunciar seu metal. Pela primeira vez na história, o minerador que produz com responsabilidade poderá etiquetar seu metal para anunciar aos compradores ao longo da cadeia.”

A chamada plataforma digital VaultChain da Tradewind cria uma conexão direta e imutável entre os investidores e suas posições físicas de ouro armazenadas na Royal Canadian Mint, uma corporação real do governo do Canadá.

Os investidores podem comprar quantidades fracionárias de ouro ou prata através da plataforma digital, com transações e propriedade do ouro registradas na blockchain.

Royal Canadian Mint usa blockchain como "fonte de verdade"

A Royal Canadian Mint supostamente reconhece legalmente a blockchain como uma fonte da verdade para o título de ouro físico registrado na Plataforma Tradewind. Os compradores podem instruir a entrega física por meio de um revendedor ou diretamente com a Royal Canadian Mint em vários formatos, sujeitos a taxas de fabricação e entrega.

Blockchain ajuda a lutar contra os diamantes de sangue

No início de outubro, foi relatado que funcionários do governo da mina Societe Miniere de Bisunzu (SMB) no Congo estavam usando a tecnologia blockchain para garantir aos clientes que os minerais que compram não fazem parte de uma cadeia de suprimentos sangrenta. A empresa de blockchain RCS Global, com sede em Berlim, foi a empresa que entregou as soluções de tecnologia de mineração no mercado para ajudar a combater minerais advindos de conflito na República Democrática do Congo.