Rastreando 66.000 Bitcoins: O que podemos aprender do caso da BTC-e

Empresa de conformidade-como-serviço, a Coinfirm afirma saber para onde mais de 66.000 Bitcoins foram transferidos após o hack da BTC-e.

De acordo com Pawel Kuskowski, CEO e cofundador da Coinfirm, logo após a prisão de Alexander Vinnik, amplamente referido como o responsável por trás da BTC-e, mais de 66.000 BTC foram transferidos de 18f1yugoAJuXcHAbsuRVLQC9TezJ6iVRLp e terminaram em endereços conectados a três principais casas de câmbio de criptomoedas, expondo-as diretamente à lavagem de dinheiro.

Por respeito e segurança a essas três casas, Kuskowski preferiu não divulgar seus nomes ou seus endereços.

Os misturadores Bitcoin poderiam ser extintos

O próprio Vinnik enfrenta 21 acusações de um grande júri dos EUA, principalmente por lavagem de dinheiro, mas também por pirataria de computador e tráfico de drogas.

Ultimamente, a parte nefasta do mercado de criptomoedas teve um grande sucesso. Tudo começou com um esforço conjunto das agências de aplicação da lei dos EUA, da Europa e da Tailândia para fechar dois dos principais mercados de mercados da dark net utilizados principalmente para o comércio de drogas. Kuskowski observa que, três dias após o hack, o BitMixer, o serviço de mistura de Bitcoin mais popular anunciou seu encerramento efetivo imediatamente.

Os serviços de mistura (misturadores, torneiras, anonimizadores) são serviços que são ferramentas para potencial mistura de fundos ilegais e são reconhecidos pela Europol e Interpol como ferramentas ilegais - seu uso pode ser tratado como anonimização intencional de fundos.

Em uma postagem em um fórum do bitcointalk, os administradores afirmaram que eles vêem o futuro do Bitcoin como mais limpo e legítimo do que o passado da dark net. Além disso, parece que eles perceberam que os misturadores tornaram-se redundantes na sequência das novas soluções de conformidade e análise do Blockchain.

Ignorância não é uma desculpa

A BTC-e.com, uma das mais antigas casas de câmbio de criptomoedas foi considerada um padrão de confiabilidade. Isso pode parecer peculiar, considerando a reputação do câmbio operacional da Rússia. Acontece que esta estabilidade poderia ter sido enraizada em operações ilícitas que ocorreram na casa, pois alguns aproveitaram de suas políticas conscientemente permissivas.

Relatórios recentes estimam que 95% das transações de Bitcoin resultantes de ataques de resgate foram encaminhadas através do BTC-e, uma casa de câmbio que administrava até três por cento de todo o tráfego do Bitcoin.

Agora, a BTC-e enfrenta uma multa de US$ 110 milhões da Financial Crimes Enforcement Network por facilitar ransomware e a venda de drogas na dark net e as autoridades dos EUA tomaram o domínio do site.

Observe que o ransomware é uma atividade criminosa e ajudar a 'anonimizar' ou 'compensar fundos' dessa fonte é considerado lavagem de dinheiro e é um crime. Ainda não podemos saber se eles conseguirão voltar às operações.

Kuskowski diz a Cointelegraph que, logo após o primeiro tuíte, anunciando a manutenção não planejada do site, as autoridades confirmaram que uma das figuras centrais por trás do BTC-e, Alexander Vinnik foi preso no norte da Grécia e agora enfrenta acusações de liderar uma operação de lavagem de dinheiro estimada em cerca de US$ 4 bilhões e também presume-se que Alexander tenha participado do hack da Mt.Gox.

Como consequência, o FinCEN avaliou uma penalidade civil de US$ 12 milhões contra Vinnik e, se for condenado, ele pode pegar até 55 anos de prisão.

Uma moral adicional da história é que, sendo consciente ou não, não impedir a sua empresa ou plataforma de lavagem de dinheiro de operações ou fontes criminosas não só ameaça seriamente seu negócio, mas também sua liberdade pessoal.

Em 27 de julho de 2017, Jamal El-Hindi, diretor interino da FinCEN declarou:

"Nós responsabilizaremos transmissores de dinheiro baseados no estrangeiro, incluindo permutadores de moedas virtuais, que façam negócios nos Estados Unidos quando violam voluntariamente as leis contra de lavagem de dinheiro dos EUA. Esta ação deve ser um forte impedimento para quem pensa que pode facilitar o ransomware, as vendas de drogas na dark net ou realizar outras atividades ilícitas usando moeda virtual criptografada. A equipe do FinCEN do Tesouro e nossos parceiros de aplicação da lei trabalharão com homólogos estrangeiros em todo o mundo para supervisionar adequadamente as casas de câmbio virtuais e os administradores que tentam subverter a lei dos EUA e evitam cumprir as salvaguardas de AML (lei antilavagem de dinheiro dos EUA ".

Uma nova era para o Blockchain

Kuskowski revela que, aproximadamente duas horas após o primeiro tuíte da BTC-e, mais de 66.000 Bitcoins foram transferidos do endereço Bitcoin 18f1yugoAJuXcHAbsuRVLQC9TezJ6iVRLp através de alguns milhares de endereços intermediários.

Ele observa que a Coinfirm usou a sua plataforma Blocklock AML & Analytics que simplifica e automatiza a AML e a conformidade para Blockchain, para rastrear a transação.

Este caso estabelece uma nova era para o Blockchain, uma vez que uma das casas mais antigas estava diretamente vinculada a atividades ilegais e sugere que a implementação de ferramentas de análise de AML em casas de câmbio e todos os negócios relacionados a criptomoedas são uma necessidade à medida que o ecossistema avança.

Além disso, destaca-se que, independentemente de onde você esteja - as regras AML/CFT precisam ser seguidas. Tais eventos, misturados com novas soluções no mercado, estão movendo todo o ecossistema Blockchain para a adoção comercial e em massa, revelando os benefícios incontestáveis que detém a um alcance muito maior de usuários e empresas.

Reparando o sistema tradicional

Em janeiro passado, Chris Skinner se encontrou com Kuskowski para discutir o Blockchain e o futuro do Compliance. Em uma postagem de blog sobre Lavagem-como-serviço que resultou dessa reunião, diz que 98% de um valor estimado de US$ 1,6 trilhão de lavagem de dinheiro global atravessa as redes no sistema financeiro tradicional.

Acontece que a dependência do sistema financeiro tradicional em intermediários e autoridades centrais pode ser mais propensa à má administração, do que sistemas completamente descentralizados, automatizados e auditáveis baseados em Blockchain e soluções que não estão focadas em pesquisas, mas que forneçam dados para evitar que sejam vinculados a crimes financeiros.

Como seria o caso de qualquer sistema de troca de valor não regulamentado funcional, o Bitcoin foi parcialmente adotado por pessoas que queriam escapar da supervisão financeira. Isso tornou a adoção do Bitcoin um caso mais difícil especialmente para entidades comerciais.

Às vezes, erroneamente elogiado por suposto anonimato, as empresas e as instituições financeiras em todo o mundo ficaram cautelosas com a adoção da inovação que pode mudar o mundo e os potenciais clientes que a utilizam, principalmente por causa da conformidade e dos medos regulatórios. Agora, verifica-se que as marés se voltaram para o bem geral.

Com as soluções conformidade-como-serviço para sistemas baseados em Blockchain, estamos à beira de um sistema com potencial para quase erradicar a lavagem de dinheiro e proporcionar uma nova era de honestidade e transparência no sistema financeiro.

A conformidade é possível

Este caso comprova que a conformidade para o Bitcoin e as criptomoedas não é apenas possível, mas pode se tornar uma camada tanto para Blockchain quanto para sistemas tradicionais que habilitam a próxima geração de eficiência, transparência e segurança para usuários e empresas em todo o mundo.

As funcionalidades e as infraestruturas oferecidas pelo ecossistema Blockchain em maturação são incomparáveis e, com os obstáculos de conformidade considerados como o maior entrave para as criptomoedas e a adoção em massa do Blockchain sendo resolvida, pode dar origem a uma nova era de conformidade global.

O que costumava ser um grande custo e drenagem de mão-de-obra para todas as partes envolvidas, agora pode ser automatizado e simplificado até o ponto em que ele não se torne mais um grande fardo e abra a possibilidade de os jogadores menores e disruptivos entrar no mercado e interagir com empresas e indivíduos em todo o mundo.