Tether patrocina nova versão da camada de tokenização de Bitcoin da Omni

A Tether, operadora de stablecoin por trás do USDT, financiou o desenvolvimento da nova versão da camada de tokenização de Bitcoin (BTC) da Omni.

Em um comunicado de imprensa compartilhado com o Cointelegraph em 15 de dezembro, as empresas anunciaram o lançamento do Omni Core 0.7.0, que teve seu desenvolvimento foi patrocinado pela Tether. A nova versão aprimora o desempenho da rede e corrige problemas de bloqueio e procedimento de chamadas remotas.

O protocolo Omni é um sistema em execução na rede Bitcoin que permite a criação de tokens no que se acredita amplamente ser uma rede segura. A Omni também é a plataforma que recebeu os primeiros tokens USDT. O site oficial explica ainda como a tecnologia utiliza a blockchain do Bitcoin:

“O Omni Core é um Bitcoin Core aprimorado que fornece todos os recursos do Bitcoin, além dos avançados recursos da Omni Layer.”

Uma exchange descentralizada baseada em Omni

Mais interessante ainda, o Omni Core 0.7.0 permite a construção de uma exchange descentralizada na cadeia (on-chain). A nova versão do protocolo Omni permite que os usuários negociem qualquer ativo on-chain por Bitcoin. O CTO da Tether, Paolo Ardoino, comentou:

“Como o Bitcoin é a primeira blockchain que o Tether usou, o Omni Core é altamente valorizado e demonstra bons níveis de segurança. [...] É importante observar que o Tether é sustentado pela diversidade em diferentes blockchains, das quais o Omni Core provou ser um componente importante.”

Como o Cointelegraph relatou, em março, o Tether lançou o tokens USDT na blockchain Tron. No final de outubro, quase 12% de todo o suprimento da stablecoin foi transferido para a nova cadeia. Mais recentemente, em julho, a Tether também anunciou o lançamento da stablecoin USDT em sua quinta blockchain, a Algorand.