Telegram se recusa a dizer à SEC como gastou US$ 1,7 bilhão arrecadado com a venda de tokens Gram

A Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos EUA entrou com uma ordem judicial em 2 de janeiro para obrigar a plataforma de mensagens Telegram a divulgar detalhes de como os fundos arrecadados em sua oferta inicial de moedas, ou ICO, foram gastos.

A SEC alega que os registros solicitados são altamente relevantes para o caso em andamento contra o Telegram, alegando que os US$ 1,7 bilhão levantados com a venda de tokens Gram, constituíram uma venda de títulos não registrada.

Pedido de informação

O pedido solicita ao Telegram depoimentos e documentação relacionados aos valores, fontes e uso dos recursos captados pelos investidores. Notavelmente:

"Os réus agora estão se recusando a divulgar os registros bancários sobre como gastaram os US$ 1,7 bilhão que levantaram dos investidores nos últimos dois anos e para responder a perguntas sobre a disposição dos fundos dos investidores".

Caso em andamento sobre títulos não registrados

Conforme relatado pelo Cointelegraph, em outubro, a SEC anunciou uma ação de emergência contra o Telegram, alegando que sua oferta de tokens era na verdade uma venda de títulos sem licença. Isso levou a um atraso no lançamento da blockchain TON, embora o Telegram negue que os tokens sejam valores mobiliários.

A SEC alega que as informações solicitadas no último registro são relevantes para o caso em andamento:

“Os registros bancários solicitados são altamente relevantes para as questões em disputa neste caso, incluindo quanto dinheiro o Telegram gastou e de que maneira, no desenvolvimento da blockchain TON e outros formulários relacionados."