Empresa de cripto suíça obtém certificação de finanças islâmicas para Stablecoin compatível com Sharia

A empresa de fintech X8 AG, sediada na Suíça, recebeu uma certificação do Shariyah Review Bureau (SRB) por sua stablecoin baseada no Ethereum, reportou a Reuters no dia 12 de novembro.

A SRB é uma empresa líder de consultoria e auditoria da Sharia, licenciada pelo banco central do Bahrein. Ela está alegadamente presente em doze países e detém a participação de mercado de mais de 13% das empresas sauditas de investimentos licenciadas pela Autoridade de Mercado de Capitais (CMA) do país e mais de 21% das empresas cooperativas de seguros listadas no mercado de ações da Arábia Saudita. .

O debate sobre se as criptomoedas são ou não compatíveis com a Sharia centrou-se na sua compatibilidade com a proibição islâmica de pura especulação monetária. A Reuters observa que alguns estudiosos islâmicos consideraram o comércio de cripto como sendo análogo à "transferência de direitos", o que é legítimo sob a lei da Sharia.

De acordo com a diretora e cofundadora do X8, Francesca Greco, o recurso de cripto baseado no ETH do X8 é uma "stablecoin", cujo apoio por uma cesta de oito moedas fiduciárias e ouro é considerado para acalmar as preocupações dos consultores islâmicos sobre a excessiva volatilidade e especulação.

Como parte de seus planos para expandir seus negócios para o Oriente Médio, a X8 planeja lançar uma troca de cripto que incluiria uma plataforma de negociação compatível com a Sharia. Para este fim, Greco disse à Reuters que a empresa se reuniu com as bolsas locais em Abu Dhabi, Dubai e Bahrein. “A região do Golfo é realmente um bom lugar para empresas de tecnologia financeira, porque todas querem se tornar centros de tecnologia financeira”, acrescentou.

Conforme relatado em julho deste ano, a altcoin Stellar (XLM) recebeu uma certificação de conformidade da Sharia no campo de transferência de dinheiro e tokenização de ativos, alegando ser o primeiro protocolo blockchain a ter feito isso. Outras empresas de cripto que reivindicam “primeiros” no setor incluem a ficha de utilidade de cripto NOORCOIN, que foi certificada com um Certificado Sharia do Comitê Consultivo da Sharia Mundial em março.

Bitcoin (BTC) foi reconhecido como “geralmente permitido” sob a lei da Sharia em abril por um conselheiro interno da Sharia para a startup de fintech Blossom Finance. O conselheiro da Sharia, Muhammad Abu Bakar, incluiu um aviso de que, embora ele considere as moedas digitais como sendo halal (permissível), na maioria dos casos, os comerciantes não devem comprá-las para fins de investimento.

O CEO e fundador da Blossom Finance, Matthew J. Martin, disse à Cointelegraph em fevereiro que, como uma rede de pagamento, o Bitcoin pode ser ainda mais halal do que moedas fiduciárias, devido à base de Provas de Trabalho e não de dívidas.