Suspeito do "grande roubo de mineração Bitcoin" na Islândia escapa da prisão

Um suspeito detido por fazer parte com um enorme roubo de mineração de Bitcoin na Islândia no início deste ano escapou da prisão, segundo a agência de notícias locais Iceland Monitor reportou em 17 de abril.

Sindri Þór Stefánsson escapou da prisão de Sogni na noite passada e a polícia confirmou que ele fugiu da Islândia para Estocolmo, na Suécia. O fugitivo estava usando o passaporte de outro homem quando ele embarcou em um voo no Aeroporto Internacional de Keflavik.

Quando a polícia descobriu que Stefánsson havia embarcado em um avião para a Suécia, ele já havia pousado. A polícia islandesa está actualmente a coordenar com as autoridades suecas a detenção de Stefánsson. Um mandado de prisão internacional foi emitido. O suspeito não é considerado perigoso.

Stefánsson estava sob custódia desde 2 de fevereiro por suspeita de seu envolvimento em uma série de arrombamentos, onde 600 PCs, 600 placas gráficas, 100 fontes de alimentação, 100 placas-mãe, 100 discos de memória e 100 processadores de CPU foram retirados dos centros de dados envolvidos na mineração de criptomoeda no Sudoeste e Noroeste da Islândia. Os assaltos ocorreram a partir de 5 a 16 de janeiro de 2018.

O valor agregado dos itens roubados foi estimado em 200 milhões de krónur, ou $1.990.000. A revista Iceland Magazine chamou o incidente de “um dos maiores casos criminais da história islandesa”. Embora os suspeitos não tenham colaborado e as autoridades ainda não tenham localizado o material roubado, o jornal local Fréttablaðið relata que as autoridades locais vão avançar com uma acusação no início da próxima semana.

No início deste mês, o Departamento de Investigação Criminal em Gujarat, na Índia, começou a investigar 10 policiais por extorquir 200 Bitcoins de um empresário. Sailesh Bhatt alega que ele foi espancado, seqüestrado e levado para uma fazenda onde foi forçado a enviar os Bitcoins para seu ex-parceiro de negócios.