Pesquisa entre desenvolvedores do StackOverflow: 80% das organizações não usam blockchain

O grande website de comunidade de desenvolvedores StackOverflow conduziu uma pesquisa com cerca de 90.000 desenvolvedores, e os resultados publicados em 9 de abril mostram que 80% das organizações não estão usando blockchain atualmente.

Além disso, 12,7% dos desenvolvedores responderam que as organizações usam blockchain para aplicações sem moedas,  4% para aplicações relacionadas a criptomoedas, 2,1% aceitam criptos como pagamento e 1,3% estão implementando sua própria criptomoeda. O StackOverflow também diz que desenvolvedores da Índia são mais propensos a dizer que suas organizações estão usando tecnologia blockchain.

A maior porção de desenvolvedores, 29,2%, acredita que a blockchain é útil entre diversas aplicações e pode mudar nossas vidas de diversas maneiras. Ainda assim, 26,2% acredita que ela é útil apenas como tecnologia de registro de dados imutável e que não tem nenhum uso como moeda, e apenas 12,2% acredita que ela é útil para aplicações de moedas descentralizadas.

Em referência a preocupações sobre o impacto de mineração Proof of Work no ambiente, 15,6% dos entrevistados disse acreditar que a blockchain é um uso de recursos irresponsável. Finalmente, 16,8% acredita que a tecnologia blockchain é uma moda passageira. O relatório afirma que o otimismo em relação à utilidade da tecnologia blockchain está amplamente concentrado entre os desenvolvedores mais jovens e menos experientes:

“Quanto mais experiente é o desenvolvedor, maior a possibilidade dele dizer que a tecnologia blockchain é um uso irresponsável de recursos.”

Como o Cointelegraph noticiou no começo da semana, a maioria dos executivos de finanças e impostos não considera a adoção da tecnologia blockchain, de acordo com uma pesquisa recente conduzida pela empresa de auditoria Big Four, KPMG.

Outra pesquisa do KPMG publicada no fim de fevereiro mostrou que 48% dos executivos de Nível C acreditam que a blockchain poderia mudar a forma com que fazemos negócios nos próximos três anos.