Coreia do Sul: funcionários do governo acusados de M negociar cripto usando informação privilegiada

A semana passada, que foi repleta de confusão e fricção sobre a regulamentação de criptomoedas na Coreia do Sul, continua a dar o que falar. Acusações acerca de funcionários do governo foram reveladas, apontando a prática de transações internas (trading market), de acordo com relatórios. da fonte de notícias local Chosun.

De acordo com o relatório local desta quinta-feira, 18 de Janeiro, alguns funcionários do governo do Serviço de Supervisão Financeira (FSS), que estavam cientes de anúncios futuros sobre uma proibição total ou restrições significativas nas negociações, compraram e vendaram criptomoedas pouco antes que essa informação se tornasse pública.

O chefe do FSS, Choi Hyung-sik, confirmou as suspeitas em uma reunião na quinta-feira, admitindo:

"Nós confirmamos a inteligência. Confirmamos que alguns funcionários públicos realizaram tal ato "

As alegações de atividade equivalentes à corrupção enfraquecem ainda mais a posição de Seul após seus anúncios altamente impopulares e contraditórios sobre a regulamentação da moeda digital, causaram um grande protesto público.

Uma petição pública que pede uma reversão das restrições, bem como a demissão de alguns ministros de alto escalão, atraiu mais de 200 mil assinaturas, o que significa que exige uma resposta do governo dentro de 30 dias.

Enquanto isso, a legalidade de qualquer operação de criptografia com recurso ao conhecimento classificado não é clara no momento. Ironicamente, o status legal indefinido da criptomoeda significa que a prática não pode ser tratada como uma negociação envolvendo instrumentos totalmente regulamentados.

Um oficial do FSS declarou:

"Não existe um código de ética e nenhum código de conduta para o investimento em moeda virtual nos regulamentos do FSS, por isso é difícil dizer sobre punição nesta fase".

Chosun também aponta que os funcionários poderiam ser acusados não apenas de terem adquirido informações privilegiadas, mas também do "uso indevido de informações internas".


Siga-nos no Facebook