Sony e Fujitsu desenvolvem plataforma blockchain para combater qualificações educacionais falsas

O conglomerado multinacional japonês Sony e a Fujitsu, empresa de serviços de equipamentos de TI, criaram um banco de dados criptografado para documentos de proficiência educacional, informou o Asahi Shimbun em 26 de fevereiro.

O banco de dados, que supostamente se vale da tecnologia blockchain, é usado para evitar falsificações de documentos de proficiência em idiomas, que alguns estrangeiros supostamente usam para receber status de residente para estudar no Japão.

Os estrangeiros devem apresentar um certificado de proficiência em japonês ao Departamento de Imigração para receber o status de residente para poder estudar no Japão. Tais certificados podem ser emitidos por instituições de ensino japonesas no exterior. As escolas de japonês no país enviarão os certificados em nome das instituições no exterior.

Foram encontradas cópias ilegais de certificados de idiomas em diversos países. O Asahi Shimbun afirma que o estudante sem as qualificações linguísticas adequadas pode enfrentar dificuldades em sua vida cotidiana no Japão.

As duas empresas criaram a plataforma combinando o sistema de aprendizado on-line da Fujitsu com uma blockchain desenvolvida pela subsidiária Sony Global Education Inc. Ao usar a plataforma, as escolas de japonês podem comparar certificados com dados registrados na blockchain para verificar se os documentos são autênticos .

Sony e Fujitsu testarão a plataforma em março, antes de a implantar para uso no mundo real em abril. O julgamento será realizado na Human Academy Co., que administra escolas de japonês nas cidades de Osaka, Saga e Tóquio.

Outras universidades e instituições de ensino em todo o mundo têm utilizado a tecnologia blockchain para combater a falsificação de diplomas. Na semana passada, o governo maltês anunciou que todas as certificações educacionais no país, incluindo as de escolas públicas, privadas e paroquiais, serão armazenadas em uma blockchain.

Em janeiro, o Cointelegraph reportou que a Universidade do Bahrein emitirá diplomas em uma blockchain. A universidade emprega o padrão aberto Blockcerts em parceria com a Learning Machine, uma startup que oferece um sistema baseado em blockchain para emitir e verificar registros oficiais.