Expert Blog: Governos inteligentes devem abraçar os criptos

Expert Blog é a nova série de artigos do Cointelegraph por líderes da cripto-indústria. Abrange de tudo, desde a tecnologia Blockchain e criptomoedas até a regulamentação de ICOs e análise de investimentos. Se você quiser se tornar nosso autor convidado e ser publicado no Cointelegraph, envie-nos um e-mail em mike@cointelegraph.com.

A capitalização de mercado das criptomoedas cresceu até os US$800 bilhões, em comparação com US$20 bilhões, há apenas um ano. Nunca na história uma classe de ativos aumentou nesse montante, nada passou nem remotamente perto do experimentado pelas criptomoedas. Enquanto o governo conseguiu ele ignorou as criptomoedas, enquanto ainda eram apenas um nicho de mercado, mas elas tornaram-se muito grandes para simplesmente serem ignoradas. É melhor que governos inteligentes abracem essa revolução bancária, lutar contra isso é inútil e será incrivelmente dispendioso.

A maneira chinesa

Apesar de há um ano as negociações chinesas representarem mais de 90% do volume negociado, esse número caiu para zero porcento em novembro passado. O governo chinês decidiu fechar todos os câmbios dois meses antes, em setembro, e isso fez com que o preço da Bitcoin passasse de US$4.500 para US$3.000 no momento em que todos os investidores chineses estavam fugindo ao mesmo tempo. O que aconteceu em seguida? Mais uma vez, o mercado de criptomoedas demonstrou sua resiliência e sua solidez. Apesar de perder o mercado chinês, o mercado de criptomoedas se recuperou e o Bitcoin aumentou 5x desde que caiu para US$3.000.

Capitalização de mercado global de todas as criptomoedas

Esta proibição custou bilhões de Yuans a investidores chineses, pois eles perderam uma manifestação maciça quando eles entraram em pânico vendendo todas as suas participações. Mas, de longe, quem mais perdeu com isso foi o governo chinês. Ao proibir os câmbios de criptomoedas e ao impedir que seus cidadãos se beneficiem da valorização das criptomoedas, o governo chinês perdeu bilhões de Yuans em receitas fiscais potenciais e em crescimento adicional do PIB.

Mas a preocupação foi com outros fatores. O governo chinês estava preocupado com o fato de seus cidadãos usarem criptomoedas para burlar os controles de capital e se proteger contra uma possível depreciação de Yuan. A história econômica mostra que os controles de capital sempre falham, em algum momento. Se as pessoas quiserem evadir o dinheiro delas, sempre encontrarão um jeito.de fazê-lo.

O problema de proibir um negócio que as pessoas querem desesperadamente é que isso simplesmente não funciona. A proibição simplesmente pressionou o mercado de criptomoedas para debaixo dos panos na China. Os sites que facilitam as trocas peer-to-peer (um-a-um) apareceram por toda parte na China. É impossível saber com certeza o quão grande é esse mercado, mas o comércio de criptomoedas está bem vivo na China, e o governo acabou de perder todo o controle sobre ele.

A maneira japonesa

O Japão, por outro lado, tomou a direção oposta. Diante de desafios demográficos e econômicos e uma dívida pública atingindo 250% do PIB, o Japão teve que encontrar formas de gerar mais crescimento econômico. Então, ao invés de ignorar ou banir as criptomoedas, o Japão decidiu regulá-las. No mesmo mês em que a China fechou todas as suas trocas de criptomoedas, o Japão emitiu licenças para 11 casa de câmbio de criptomoedas. A meta do Japão é muito clara: se tornar o poder global de criptomoedas.

Como consequência desse ambiente amigável, o comércio de criptomoedas em Yen cresceu exponencialmente e os primeiros resultados já podem ser vistos. Nomura recentemente estimou que o Bitcoin sozinho poderia ser responsável por 0,3% do crescimento do PIB no Japão. Ironicamente, Huobi, que já foi a maior casa de câmbio de criptomoedas do mundo antes de ser fechada pelo governo chinês, está agora se mudando para o Japão e tem planos para abrir duas unidades lá.

O caminho a ser seguido pelos governos

Muitos governos ainda não sabem o que fazer com as criptomoedas, principalmente porque não as entendem. Uma coisa é certa, os regimes fracos, inseguros e autoritários são muito propensos a lutar contra as criptomoedas, pois são uma ferramenta muito poderosa para que as pessoas recuperem sua liberdade. Os governos democraticamente eleitos e que funcionam bem não tem nada a temer e muito a ganhar com as criptomoedas, tanto sob a forma de crescimento econômico adicional desencadeado por essa revolução bancária quanto pelas receitas fiscais adicionais que os ganhos de capital em criptomoedas gerarão.

As criptomoedas não estão indo a lugar algum. Pode não ser o Bitcoin, pode não ser o Ethereum, mas algumas criptomoedas logo se tornarão onipresentes. Você lutou contra a implantação de e-mail para proteger seu serviço postal há 20 anos? Bem, lutar contra as criptomoedas é a mesma coisa, simplesmente não pode ser feito. Acabar com elas - como sugeriu Jamie Dimon - exigiria desligar a Internet, qual a probabilidade de isso acontecer? Claro que o aumento das criptomoedas pode ser abrandado, mas isso é apenas temporário, esta situação não será sustentável a longo prazo, pois essa proibição custará caro como para a China que será deixada para trás enquanto o resto do mundo avança.

A mudança pode não vir de onde você esperaria, mas está chegando. Um proeminente banqueiro de Gana - Papa-Wassa, Chiefy Nduom - recentemente pediu ao Banco Central de Gana para investir um por cento de suas reservas cambiais em Bitcoins. Esta é a próxima etapa em que os bancos centrais finalmente percebem que perderam seu monopólio sobre a emissão de moedas e que eles precisam viver, coexistir e competir com as criptomoedas. A maioria deles ainda não sabem, mas a hegemonia do dinheiro fiat já está chegando ao fim.

Vincent Launay   é especialista em finanças no Banco Mundial em Washington DC. Ele possui mestrado em finanças pela HEC Paris e um CFA. Ele ficou fascinado por criptomoedas e pela tecnologia Blockchain desde que comprou seu primeiro Bitcoin em 2014.

Aviso legal: Os pontos de vista e interpretações neste artigo são exclusivos de seus autores e não necessáriamente representam a opinião do World Bank e do Cointelegraph.


Siga-nos no Facebook